Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Na Hora H!

Preso auxiliar de cozinha que furtou celular de colega de trabalho

Nessa quarta-feira, 29, a PCDF realizou, por intermédio da 38ª DP, a Operação Dorobõ — expressão em japonês que significa ladrão

Por Mariana Haun 01/07/2022 9h20
Foto: Vinicius de Melo/Agência Brasília

Nessa quarta-feira, 29, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) realizou, por intermédio da 38ª DP, a Operação Dorobõ — expressão em japonês que significa ladrão. A ação resultou na prisão em flagrante de um homem, auxiliar de cozinha, de 34 anos pelo crime de furto de aparelho celular.

Segundo as investigações, o homem é acusado de furtar um celular de uma colega de trabalho, fato ocorrido dentro da sala privativa dos funcionários do restaurante japonês localizado em Vicente Pires.

O crime foi todo gravado pelas câmeras do circuito de segurança do estabelecimento comercial e contribuíram para elucidar o ocorrido e efetuar a prisão do envolvido.

Após perceber o sumiço do aparelho e constatar a subtração nas imagens captadas pelas câmeras de monitoramento, a vítima tentou convencer o autor a lhe devolver o aparelho.

A princípio, o funcionário negou ter subtraído o celular da colega, porém, após ser confrontado com as imagens, acabou confessando o furto, porém não disse o que fez com o aparelho furtado.

“Diante da negativa do investigado em restituir o aparelho, a vítima e a gerente do estabelecimento foram até a 38ª DP e informaram os fatos aos policiais, que compareceram ao restaurante e efetuaram a prisão do autor, que disse ser usuário de drogas, mas não devolveu o celular produto do crime, conta o delegado-chefe da 38ª DP”, João Ataliba Neto.

O autor foi apresentado à Ceflag da 8ª DP, onde foi autuado em flagrante pelo crime de furto. Foi arbitrada pela autoridade policial fiança de R$ 2 mil, mas não sendo paga pelo criminoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com isso, ele foi recolhido à carceragem da PCDF, onde permanece à disposição da Justiça. Caso seja condenado, ele poderá ficar até quatro anos na prisão.








Você pode gostar