Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Novo líder de Hong Kong promete ‘não decepcionar o presidente Xi’

John Lee, o novo chefe do Executivo de Hong Kong, oficializou sua posse nesta sexta, dia que marca os 25 anos do retorno da ilha para a China

Por FolhaPress 01/07/2022 10h38
Foto: Reuters

Guarulhos, SP

John Lee, o novo chefe do Executivo local de Hong Kong, oficializou sua posse nesta sexta (1º), dia que marca os 25 anos do retorno da ilha para a China, com um discurso que dá o tom de sua embrionária administração. “Não vamos decepcionar o presidente Xi [Jinping]”, disse Lee, referindo-se ao líder do regime chinês.

Responsável por comandar a ampla repressão contra protestos pró-democracia na ilha em 2019, quando chefiava a segurança local, Lee assume o cargo na esteira da maior presença de Pequim na região. Candidato único à chefia local, ele foi eleito por um enxuto comitê formado por partidários do regime comunista da China.

Ainda durante o discurso no Centro de Convenções e Exposições, na área de Wan Chai, comprometeu-se a seguir à risca a cartilha de tarefas enviada por Xi. A lista inclui o fortalecimento da governança e do desenvolvimento local, mas tem como ponto mais sensível a “manutenção da harmonia e da estabilidade”, divulgou a mídia local.

Foi disso que o próprio Xi, que participou da cerimônia, falou. Por mais de uma vez, o líder do regime mencionou a eclosão de protestos sociais que impulsionou centenas de prisões e exílios de ativistas.

“Seja a crise financeira global, a Covid ou algumas convulsões sociais internas, nada impediu o avanço de Hong Kong”, disse Xi.

Como o fez na véspera, ele concentrou seu discurso na alegada defesa do sistema de “um país, dois sistemas”, acordado quando a ilha foi devolvida a Pequim e responsável por certa autonomia na região. O esquema, no entanto, foi na prática destruído pelo avanço do controle chinês, que vai da segurança pública às regras para eleições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse último ponto, Xi retomou a intenção de seguir apertando o cerco: “Manter o poder político nas mãos de patriotas é uma regra política comumente praticada no mundo; nenhum povo, em qualquer país, permitirá que o poder caia nas mãos de forças ou indivíduos que não amam e traem seu próprio país.”

A declaração configura o que, na prática, já vem acontecendo. Na eleição legislativa na ilha realizada em dezembro, marcada por baixa participação, candidatos pró-democracia estavam ausentes devido a uma reforma eleitoral promovida por Pequim para que só aqueles considerados “patriotas” pela China puderam se candidatar.

Os discursos de Xi e Lee foram criticados por Taiwan, a ilha que, na prática, é autônoma, mas não tem reconhecimento internacional e é reivindicada por Pequim como uma província rebelde. O premiê Su Tseng-chang disse que a liberdade em Hong Kong desapareceu e que a China falhou em cumprir promessas acordadas há 25 anos.

“O chamado ‘um país, dois sistemas’ da China simplesmente não resistiu ao teste”, afirmou ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Sabemos que devemos nos apegar à soberania, liberdade e democracia de Taiwan.”

Críticas também ecoaram do Reino Unido, com o premiê Boris Johnson afirmando que fará o possível para pressionar Pequim pelo cumprimento da promessa de que respeitaria o modo de vida dos honcongueses, com liberdade de expressão e imprensa, até 2047.

“Simplesmente não podemos evitar o fato de que, já há algum tempo, Pequim vem descumprindo suas obrigações”, afirmou Boris em um vídeo. “É um cenário que ameaça tanto os direitos e as liberdades dos habitantes de Hong Kong, mas também o progresso de Pequim.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar