Menu
Brasília

Vídeo: ex-secretário da CLDF, Valério Neves é preso em Goiás

Ex-secretário é acusado de encomendar dois assassinatos em Cavalcante-GO, por conta de uma disputa de terras.

Redação Jornal de Brasília

12/07/2022 22h36

Atualizada 13/07/2022 6h32

Por Tereza Neuberger
[email protected]

O empresário e ex-secretário geral da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Valério Neves, foi preso pela Polícia Civil de Goiás (PCGO), nesta terça-feira (12). O empresário, que foi braço direito de Joaquim Roriz, é acusado de envolvimento em dois assassinatos na cidade de Cavalcante-GO, em fevereiro de 2020.

Valério Neves tem um fazenda na região de Cavalcante, que fica a uma distância de cerca de 313 km da Capital Federal. O ex-secretário foi preso por volta das 18h, em sua residência em Brasília após se esconder dos policiais no sótão da residência. Policiais civis da Delegacia de Cavalcante com o apoio de policiais do Grupo de Investigação de Homicídio (GIH) de Águas Lindas localizaram Valério na QI 3 do Lago Sul.

Em um vídeo ao qual o Jornal de Brasília teve acesso, é possível ver o momento em que o ex-secretário é localizado no sótão pelos policiais. Ao ser questionado o que estava fazendo ali, Valério responde que não quer se expor, e acrescenta “pode fazer a busca que cê quiser, você disse que tem um mandado de busca.”

De acordo com o delegado Adriano Jaime, da Delegacia de Cavalcante, o empresário é investigado desde de 2020, quando ocorreu o crime, porém somente este ano a polícia conseguiu comprovar o envolvimento de Neves nos assassinatos.

O ex- secretário é suspeito de encomendar o assassinato de Jorque Ramos e Roniel Alves com tiros na cabeça. O crime ocorreu em 11 de fevereiro de 2020, quando dois irmãos identificados como Antônio Cardoso de Miranda e Reno Cardoso de Miranda entraram pela porta dos fundos da Fazenda Garapa, em Cavalcante, e mataram as vítimas.

Conforme relatos de testemunhas à polícia, as mortes foram motivadas por disputa de terras, devido a construção de uma cerca que invadiria parte das terras de Valério. Os irmãos foram presos pela PCGO e, ao longo das investigações, concluiu-se que Neves teria encomendado ao empregado, Antônio Cardoso, os dois assassinatos. Antônio encontra-se foragido até a atualização desta matéria.

O empresário foi preso preventivamente e conduzido à 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul). Ele deve responder por duplo homicídio. A defesa de Valério não foi localizada pela nossa reportagem, o espaço segue aberto para manifestações.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado