JBr TV

Mais de 151 concursos públicos estão em fase de inscrição no Brasil, a partir desta segunda-feira (8). Ao todo, são 210.467 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade.

O concurso da Prefeitura de São Cristóvão do Sul (SC) tem cargos com salários que chegam a R$ 16.549,40. Alguns certames também preveem a formação de cadastro reserva, ou seja, os candidatos aprovados serão chamados conforme a disponibilidade de vagas.

Oportunidades

Entre os principais concursos federais abertos estão o da Aeronáutica, que oferece 223 vagas de nível médio, o concurso da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), que prevê a formação de cadastro reserva em cargos de nível superior e o Conselho Federal de Química, com 270 vagas de nível superior.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reservou 22.409 vagas de nível médio e 181.898 vagas para nível fundamental. A Marinha realizará dois concursos para preenchimento de 980 vagas de nível médio e outro para 33 vagas de músicos. Já o Ministério da Economia oferece 590 vagas

Nesta segunda-feira, ao menos 13 órgãos abrem o prazo de inscrições para 293 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. Os salários chegam a R$ 6.956,78 na Prefeitura de Ibiraçu (ES).

Governo do Mato Grosso do Sul

Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Inscrições: até 12/03/2021
  • 1 vaga
  • Salários de até R$ 1.446,00
  • Cargos de nível superior
  • Confira o edital

Prefeitura de Amaporã (PR)

  • Inscrições: até 22/03/2021
  • Cadastro de reserva
  • Salários de até R$ 2.992,24
  • Cargos de nível superior
  • Confira o edital

Prefeitura de Barra do Turvo (SP)

  • Inscrições: até 10/03/2021
  • 20 vagas
  • Salários de até R$ 1.000,00
  • Cargos de nível fundamental
  • Confira o edital

Prefeitura de Caapiranga (AM)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Inscrições: até 12/03/2021
  • 71 vagas
  • Salários de até R$ 1.443,12
  • Cargos de nível superior
  • Confira o edital

Prefeitura de Campina das Missões (RS)

Prefeitura de Delfinópolis (MG)

  • Inscrições: até 12/03/2021
  • 3 vagas
  • Salários de até R$ 1.403,56
  • Cargos para alfabetizados
  • Confira o edital

Prefeitura de Ibiraçu (ES)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Inscrições: até 09/03/2021
  • 37 vagas
  • Salários de até R$ 6.956,78
  • Cargos de nível fundamental, médio, técnico e superior
  • Confira o edital

Prefeitura de João Neiva (ES)

  • Inscrições: até 10/03/2021
  • 3 vagas
  • Salários de até R$ 2.620,98
  • Cargos de nível superior
  • Confira o edital

Prefeitura de Marabá (PA)

  • Inscrições: até 09/03/2021
  • 31 vagas
  • Salários de até R$ 5.086,90
  • Cargos de nível médio e superior
  • Confira o edital

Prefeitura de Nova Serrana (MG)

  • Inscrições: até 16/03/2021
  • Cadastro de reserva
  • Salários de até R$ 3.060,18
  • Cargos de nível superior
  • Confira o edital

Santa Casa de Misericórdia do Pará

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Inscrições: até 10/03/2021
  • 34 vagas
  • Salários de até R$ 1.045,00
  • Cargos de nível fundamental
  • Confira o edital

Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (Seas) do Ceará

  • Inscrições: até 10/03/2021
  • 23 vagas
  • Salários de até R$ 2.266,00
  • Cargos de nível médio e superior
  • Confira o edital

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Brasil tem mais de 150 concursos públicos abertos

A confirmação da transmissão comunitária da variante P.1 da Covid-19 em Porto Alegre pelo Centro Estadual de Vigilância Sanitária do Rio Grande do Sul (CEVS), na terça-feira, aliada ao aumento expressivo das internações em todo Estado reforçam a necessidade de a população cumprir os protocolos sanitários recomendados por autoridades de saúde, como distanciamento social e uso de máscara. Entre as principais características da nova cepa estão maior carga viral e rapidez da disseminação do vírus.

Essas variantes são potencialmente mais transmissíveis e podem estar relacionadas aos aumentos vertiginosos de novos casos nos estados que fizeram parte da pesquisa da Fiocruz.

O comunicado destaca ainda como fundamental a adoção das medidas que possam reduzir a velocidade da propagação e o crescimento do número de casos, como a restrição da circulação e das atividades não essenciais e a implementação imediata de planos e campanhas de comunicação, o fortalecimento do sistema de saúde, e a necessidade de constituição de um pacto nacional para o enfrentamento da pandemia no país.

Para saber mais assista ao vídeo do Bio Sem Neura com o @philipbio

Bio sem Neura #052 – Nova Cepa

O que leva o presidente Jair Bolsonaro a agredir a sociedade, as mais de 250 mil pessoas que morreram vítimas da covid-19, seus entes queridos? Que estratégia está por trás dessa agressão e que reflexos ela pode ter para os próximos dias na política e na economia do país, até 2022 e as próximas eleições presidenciais? Os principais fatos da semana são sempre o tema do podcast Imagem&Credibilidade/Jornal de Brasília. Que traz desta vez como convidado o cientista político Melillo Dinis. Com Alexandre Jardim e Rudolfo Lago.

Imagem & Credibilidade #069 – O mimimi é do povo brasileiro ou desespero do presidente?
JBr News
JBr News #120 – O objetivo de Bolsonaro é promover o caos?

Na quarta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro voltou a se valer da magnetizada plateia acrítica que se reúne na frente do Palácio da Alvorada para soltar mais uma das suas impressões equivocadas (propositalmente ou não). Disse que esperava somente a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para por em prática seu “plano” de combate à covid-19.

A pantomima presidencial em frente à sua plateia seria cômica se não fosse trágica. O presidente certamente desistiu de proferir suas frases tragicômicas para jornalistas porque sem dúvida seria retrucado. E reagiria com o seu já clássico “Acabou a entrevista!”. Assim, ele prefere a turma que parece deixar na prateleira da casa o cérebro e segue para a porta do Alvorada embevecida pelas palavras do seu “mito”.

A história de Bolsonaro sobre um “plano” que o STF não o deixa executar insere algumas farsas. A primeira: o STF nunca o impediu de executar plano algum. A segunda: Bolsonaro vale-se dessa argumentação torta porque não tem plano nenhum. Ou, no máximo: o plano que tem, ou tinha, revelou-se totalmente equivocado.

Bolsonaro resolveu macaquear a estratégia de Donald Trump de minimizar a pandemia, de acreditar que ela seria pouco letal e passageira. Uma aposta que ia contra os alertas de dez entre dez sanitaristas, epidemiologistas e infectologistas do planeta. Nos Estados Unidos, a ideia desastrada fez com que a arrogante nação que se julga a mais desenvolvida do mundo amargasse o vexame de se tornar aquela com o maior número de pessoas mortas e infectadas pelo novo coronavírus.

A miquice de Bolsonaro fez com que o Brasil se tornasse o segundo nessa triste estatística de contaminações e mortes pela covid. Nos Estados Unidos, Trump pagou o preço, perdendo as eleições. De volta à sanidade, os norte-americanos já vacinaram mais de 17% da população. Lá, a curva da doença já tende a cair. Enquanto isso, o Brasil está novamente no trágico pico da pandemia. O Brasil já superou os Estados Unidos na contagem de mortes em um período de 24 horas. Aqui, vacinamos somente cerca de 3% da população. Com a tendência de curva descendente nos Estados Unidos e ainda ascendente por um bom tempo por aqui, a Organização Mundial de Saúde já alerta que poderemos ultrapassar a terra que se livrou de Trump em número de contaminações e mortes e nos tornarmos, assim, o palco principal dessa tragédia chamada covid-19.

Logo no começo do que viraria uma pandemia, quando ainda nem tinha nome, o Brasil tinha, sim, um plano. E um plano que poderia ter dado muito certo. O Brasil foi o primeiro país depois da China a identificar a possibilidade de surgimento de um novo tipo de pneumonia virótica com alto potencial de gravidade. Antes de qualquer outro país no planeta, ainda em novembro de 2019, a Coordenação Geral de Emergências em Saúde Pública do Ministério da Saúde identificou conversas de médicos em redes sociais chinesas sobre o aparecimento de uma doença respiratória grave. Antes de qualquer outra nação do planeta, pediu informações à Organização Panamericana de Saúde (Opas). E estabeleceu já naquele momento um protocolo de identificação e monitoramento de pessoas que viessem da China para o Brasil. Novembro de 2019… Está no livro Guerra à Saúde, do jornalista Ugo Braga.

No começo da pandemia, o Ministério da Saúde traçava por aqui um plano rigoroso de combate. Que ganhava elogios não só no país mas no mundo todo. Tivesse seguido esse plano, Bolsonaro hoje poderia se vangloriar dos resultados obtidos pela equipe que preside. Poderia ter naquele que era então seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, um fortíssimo candidato a ser seu vice-presidente na chapa de 2022.

Mas Bolsonaro preferiu mover-se pelo ciúme. Passou a temer a sombra da popularidade que Mandetta ia conquistando. Sem perceber que sempre Mandetta seria seu subordinado. E que, por maior que pudesse vir a ser o brilho de Mandetta, o brilho primeiro seria dele. Assim como da mesma forma por maior que sejam hoje os fracassos de seu atual ministro, general Eduardo Pazuello, antes os fracassos de Pazuello serão seus fracassos.
Em outro trecho de Guerra à Saúde, Ugo Braga relata um modelo apresentado pelo então diretor do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Júlio Croda. Segundo o modelo, se nada fosse feito para conter a evolução da doença, nós chegaríamos à marca de 390 mil mortes pela covid-19. Um ano depois, ultrapassamos a marca de 250 mil mortes. Vamos atingir ao número tristemente projetado por Croda porque nada foi feito? Ou porque o que foi feito foi tragicamente errado?

Coluna Informação #066 – Falta de plano ou trágico engano?