Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Tucanos anti-Doria analisam cédula das prévias para abandonar ex-governador

Com base nisso, defenderão o entendimento de que é possível a convenção deliberar sobre uma aliança com o MDB da senadora Simone Tebet

Por FolhaPress 17/05/2022 5h31
Foto: Reprodução

Fábio Zanini

Na reunião da tarde desta terça-feira (17), tucanos que se opõem a João Doria vão à letra miúda na tentativa de encontrar uma solução sem rupturas para o impasse sobre a candidatura presidencial.

Integrantes do PSDB analisaram as cédulas de votação das prévias que escolheram o ex-governador de São Paulo João Doria como o pré-candidato à Presidência. Nela, os filiados não são questionados sobre a possibilidade de não haver candidatura própria, ou de coligação com outras legendas.

Com base nisso, defenderão o entendimento de que é possível a convenção deliberar sobre uma aliança com o MDB da senadora Simone Tebet (MS) ou, até mesmo, não ter candidato nenhum.

Como a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, revelou nesta segunda-feira (16), adversários de Doria no PSDB definiram a estratégia jurídica para derrubar na convenção do partido a candidatura presidencial do ex-governador de São Paulo.

O artigo 152 do estatuto tucano obriga que a convenção homologue o vencedor nas prévias, mas o entendimento dos opositores de Doria é que isso vale apenas se o partido tiver candidato.

Segundo relatos, já há consenso sobre a impossibilidade jurídica de se escolher um novo tucano como cabeça de chapa. Em entrevista à Folha de S.Paulo, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), opositor do ex-governador, defendeu que ele seja o nome caso haja candidatura própria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu nunca quis a candidatura do Doria, acho que será um momento trágico para o PSDB. Mas ele ganhou as prévias, não ganhou? Maculadas, tínhamos um candidato que podia estar hoje lá na frente, com outros apoios. O PSDB ignorou isso”, disse.

A reunião desta terça foi convocada após Doria divulgar carta na qual promete judicializar a disputa caso seja preterido.








Você pode gostar