Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Renan Calheiros, Witzel e Flávio Bolsonaro trocam ofensas na CPI

Renan e Witzel chamaram Flávio de mal educado; Flávio insinuou que Calheiros estaria dando tratamento especial ao ex-governador

Por Willian Matos 16/06/2021 12h26
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Durante sessão da CPI da Pandemia nesta quinta-feira (16), o depoente, ex-governador do Rio Wilson Witzel; o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ); e o relator Renan Calheiros (MDB-AL) trocaram ofensas.

Wilson Witzel falava sobre seu impeachment, ocorrido em abril deste ano, quando Flávio Bolsonaro interrompeu pedindo apuração das falas do ex-governador. O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relembrou que Witzel pode solicitar que o depoimento seja reservado. “Vamos dar transparência a esta CPI”, rebateu Flávio.

O senador Humberto Costa (PT-PE) acusou Flávio Bolsonaro de atrapalhar a sessão ao fazer transmissões ao vivo durante o depoimento.

Renan Calheiros, então, perguntou a Witzel se ele gostaria de depor sem a presença de Flávio, que interrompeu novamente: “Nossa, quanto carinho. Que diferença, hein, relator?! Trate assim todo mundo”. Renan pediu para não ser interrompido. “Seu pai [Jair Bolsonaro] parece que não lhe deu educação.”

Witzel não se opôs à presença do filho de Bolsonaro. “A minha questão aqui não é pessoal”, declarou. “Que lindo discurso”, rebateu Flávio Bolsonaro, ironicamente. “Se o senhor fosse um pouquinho mais educado e menos mimado, teria respeito pelo que eu estou falando”, treplicou o ex-governador.

Após um bate-boca, o ex-governador atacou: “Pode ficar tranquilo, que eu não sou porteiro. Não vai me intimidar, não”, disse Witzel, em referência à polêmica envolvendo a família Bolsonaro e um porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde os membros moravam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar