Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Notícias

Comissão do Senado trava indicação de Biden à embaixada dos EUA no Brasil

Comissão do Senado não deu aval para a nomeação de Elizabeth Bagley, indicada pelo governo de Biden para ser embaixadora no Brasil

Por FolhaPress 24/06/2022 8h02
Foto: Getty Images

Rafael Balago e Ricardo Della Coletta
Nova York, EUA, e Brasília, DF

A Comissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA não deu aval para a nomeação de Elizabeth Bagley, indicada pelo governo de Joe Biden para ser embaixadora no Brasil.

A votação terminou empatada em 11 a 11 – um resultado que, de acordo com interlocutores, tira força política da nomeação.

Na quinta (23), ao resumo do andamento do processo de Bagley foi incluída a nota “falhou em obter resultado favorável” – não se sabe ao certo a razão, porque o relatório ainda não foi publicado. Os documentos das comissões costumam ser divulgados após alguns dias, e a votação foi fechada.

A Comissão de Relações Exteriores do Senado é chefiada pelo democrata Bob Menendez e tem 11 membros de cada partido, que, segundo fontes ouvidas pela Folha, teriam votado em bloco: democratas a favor da nomeação, e republicanos, contra. Assim, a indicação fica em uma espécie de limbo.

Em tese, o plenário do Senado pode aprovar o nome de Bagley, mas é incomum haver apoio a indicações sem o aval da comissão que cuida do tema.

Seria uma operação com custo político para Biden, e, na visão de interlocutores, sob condição de anonimato, o mais provável é que o presidente retire a nomeação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A principal razão para a resistência dos senadores foram declarações que Bagley deu no passado e que foram consideradas antissemitas.

Em uma entrevista em 1998, ela lamentou que o “lobby judeu” faria com que os democratas dissessem coisas estúpidas, como “defender Jerusalém como capital de Israel”.

As falas foram citadas na sabatina realizada no Senado, em maio. “Eu certamente não quis dizer nada daquilo. Foi uma má escolha de palavras”, afirmou ela na ocasião.

À Folha, por e-mail, James Risch, republicano que integra a Comissão de Relações Exteriores do Senado, afirmou que, “infelizmente, as declarações insinuando que as motivações eleitorais de judeus e cubano-americanos são baseadas em ‘dinheiro grande’ e ‘oposição radical’ ao regime [de Fidel] Castro vão contra valores comuns com o Brasil”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O Brasil é um aliado extremamente importante para os EUA. Dividimos valores comuns, especialmente em respeito a liberdades religiosas e ideais democráticos. Por isso, não posso apoiar esta nomeação.”

Na sabatina, Bagley também disse prever dificuldades nas eleições brasileiras, em outubro, em parte devido a comentários feitos pelo presidente Jair Bolsonaro que buscam colocar em xeque a legitimidade do pleito em caso de uma eventual derrota.

Ela afirmou, no entanto, que as instituições brasileiras estão preparadas para resistir a pressões antidemocráticas e prometeu atuar com o governo brasileiro para combater o desmatamento e o tráfico de animais, entre outras propostas.

“Uma rejeição é muito rara, pois os candidatos passam por grande checagem de antecedentes, e há negociações antes de a nomeação ser feita”, disse Melvin Levitsky, ex-embaixador dos EUA no Brasil.
Bagley, 69, nasceu em Elmira, no estado de Nova York, e é doadora de longa data do Partido Democrata.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela trabalhou nas áreas de diplomacia e direito por décadas, tendo sido assessora-sênior de três secretários de Estado: John Kerry e Hillary Clinton, ambos na gestão de Barack Obama, e Madeleine Albright, no governo de Bill Clinton.

Ela também foi representante especial para a Assembleia-Geral das Nações Unidas e para Parcerias Globais, além de embaixadora em Portugal.

Atualmente, é dona de uma empresa de comunicação e celulares no Arizona.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto a nomeação de Bagley não é confirmada ou retirada, a representação americana em Brasília é chefiada interinamente por Douglas Koneff.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Brasil está sem embaixador pleno dos EUA desde meados de 2021, quando o diplomata Todd Chapman, que ocupava o posto, anunciou sua aposentadoria.








Você pode gostar