Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro diz que tomará hidroxicloroquina e ivermectina se pegar Covid de novo

A defesa do governo do tratamento precoce é uma das principais linhas de investigações da CPI da Covid no Senado, que está na reta final

Por FolhaPress 14/10/2021 1h10
(FILES) In this file photo taken on October 06, 2021 Brazilian President Jair Bolsonaro gestures during a ceremony for the Olympic and Paralympic athletes who participated in the Tokio 2020 Olympic Games, at Planalto Palace in Brasilia, on October 6, 2021. – Brazilian President Jair Bolsonaro has confirmed in an interview with Jovem Pan radio on October 12, 2021, that he will not get vaccinated against Covid-19, (Photo by EVARISTO SA / AFP)

Marianna Holanda

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (14) que, se for reinfectado pelo coronavírus, fará novamente o chamado tratamento precoce e “ponto final”. Estudos mostram, porém, que o uso de remédios do “kit covid”, como hidroxicloroquina e ivermectina, não apenas não tem efeito no tratamento da Covid-19 como pode trazer graves efeitos colaterais (conheça drogas que funcionam contra a Covid, as que não funcionam e as que estão em teste).

A defesa do governo do tratamento precoce é uma das principais linhas de investigações da CPI da Covid no Senado, que está na reta final. O relatório deve ser apresentado na próxima terça-feira (19). “Eu falo aqui, olha, se eu for novamente hoje reinfectado, eu vou tomar hidroxicloroquina e ivermectina, ponto final. É a minha vida que está em jogo”, disse Bolsonaro, em entrevista a uma rádio de Pernambuco.

O presidente afirmou também na entrevista que, se o médico não prescrever os medicamentos, procurará outro.
Ainda na entrevista desta manhã, Bolsonaro disse que “centenas de milhares [de pessoas] aqui no Brasil poderiam estar vivas hoje em dia, se tivessem feito o tratamento precoce”. Ele afirmou também que “não há notícia” de quem tenha se submetido ao uso dos medicamentos e tenha morrido. A declaração não tem respaldo científico. O Brasil tem hoje mais de 600 mil mortes pelo coronavírus.

O mandatário disse ainda que o governo prepara um estudo sobre ivermectina e hidroxicloroquina que será “notícia bomba favorável” ao tratamento precoce. Ele não deu detalhes, mas disse que será revelado nos próximos dias.

Os riscos gerados pelo consumo desses remédios durante a pandemia já foram alertados repetidas vezes por especialistas. Nos Estados Unidos, por exemplo, o FDA, órgão regulador de medicamentos, divulgou em agosto um alerta de que a ivermectina, droga antiparasitária usada também em animais, não deve ser tomada contra a Covid. “Você não é um cavalo”, disse o órgão em uma campanha lançada nas redes sociais. “Você não é uma vaca. Sério, vocês todos. Parem com isso.”

Bolsonaro também insistiu em questionar a eficácia da vacina, ainda que o Brasil tenha atingido na quarta-feira a positiva marca de 100 milhões de cidadãos totalmente imunizados (esquema vacinal completo com duas doses ou com uma dose única, no caso do imunizante da Janssen).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A vacina ainda é uma interrogação”, disse o mandatário, que na terça (12) afirmou que não vai se vacinar.
“E essas pessoas que tiveram comigo nos Estados Unidos e foram vacinadas, por que contraíram a doença? Elas estavam transmitindo, eu não. Meu IgG [imunoglobulina G, um anticorpo] de 30, 40 dias atrás estava em 991. Por que que eu tenho mais anticorpos que pessoas vacinadas?”, questionou.

Os anticorpos adquiridos com a contaminação do coronavírus não necessariamente tornam a pessoa totalmente imunizada, por isso cientistas recomendam a vacinação mesmo para quem já pegou a covid-19.

As declarações do presidente foram dadas em entrevista à rádio evangélica Novas de Paz, de Pernambuco. O apresentador e demais participantes, como a deputada estadual Clarissa Tércio (PSC), também defenderam o uso do tratamento precoce. Não foi feito qualquer contraponto. A conversa, que durou quase uma hora, foi a primeira a uma rádio local em mais de um mês.

Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o ex-secretário da pasta Élcio Franco são os três personagens centrais do relatório da CPI da Covid, que apura erros e omissões do governo durante a pandemia. O tratamento precoce e a demora na aquisição de vacinas foram investigados pelos senadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), disse à Folha de S.Paulo que já há especificação de 11 crimes e vários agravantes em seu texto.

Em relação ao chefe do Executivo, que o senador chama de “mercador da morte”, afirma que está clara e comprovada a sua participação em crimes e que por isso não há dúvida s de que será responsabilizado. Na entrevista desta terça-feira, o presidente aproveitou para criticar a CPI em mais de um momento e disse que ela está prestando um “desserviço”.








Você pode gostar