Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Homens seguem em cargos-chave na OAB apesar de nova regra

O cenário ainda é desafiador para a advocacia feminina, já que os principais cargos da entidade ainda terão maioria masculina

As primeiras eleições da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sob a regra de paridade de gênero se tornaram um marco para a entidade: pela primeira vez, cinco mulheres foram eleitas para a presidência das seccionais. No início do último triênio, nenhuma delas ocupava o cargo. O resultado é reflexo da nova norma, que obrigou a presença de advogadas em 50% das vagas titulares nas chapas. Mas o cenário ainda é desafiador para a advocacia feminina, já que os principais cargos da entidade ainda terão maioria masculina.

Os resultados das seccionais mostram que, apesar de cumprirem a regra, as chapas eleitas para o próximo triênio mantiveram homens nos principais cargos de liderança. O colégio de presidentes, por exemplo, terá 22 homens, todos eleitos para comandar as seccionais. Às mulheres foi delegada, em sua maioria, a vice-presidência: foram 22 eleitas para essa função. A Bahia foi a única unidade federativa com mulheres nos dois cargos. Além do Estado, São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Santa Catarina também elegeram mulheres para a presidência.

Composto por 81 membros, o conselho federal segue uma lógica parecida. Foram 54 homens eleitos para o cargo ante 26 mulheres – uma a cada três conselheiros. Elas devem ocupar principalmente os cargos de suplência em uma proporção inversa: quase um a cada três suplentes é homem.

Seria necessário que ao menos 13 homens deixassem o cargo para um conselho com paridade de gênero efetiva. Atualmente, 20 advogadas ocupam o cargo e dez seccionais sequer possuem mulheres na composição, considerando os profissionais em exercício.

PROPORÇÃO

A proporção de homens nos cargos decisórios continua a valer em demais vagas de diretoria. Quase 70% dos secretários-gerais do próximo triênio serão homens, enquanto 74% das secretarias gerais adjuntas serão ocupadas por mulheres. Na tesouraria, a taxa de homens no cargo sobe para 77,8%. No total das 5 diretorias, as mulheres ocupam 44,5% das vagas em todo o Brasil.

Nem mesmo na presidência da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA) elas ganharam mais espaço. Serão 20 homens e 7 mulheres. No oposto, 17 advogadas serão vice-presidentes.

MOBILIZAÇÃO

A paridade de gênero nas chapas da OAB foi decidida após intensa mobilização dos movimentos de advocacia feminina em 2020. A mudança foi votada pelo colegiado dos presidentes, à época, todos homens, e não foi unânime. O presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, desempatou a questão, que foi levada ao conselho pleno e passou a valer em 2021.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a regra, a paridade é observada para as vagas de titulares e suplência de modo separado. Na conta, entram os cargos de diretoria da seccional, da Caixa de Assistência dos Advogados, do conselho federal e dos conselhos seccionais. Os advogados votam em uma chapa que elege de uma só vez os nomes que ocupam as vagas.

A presidente eleita da OAB Bahia, Daniela Borges, disse que, antes da mudança, apenas 30% das vagas eram destinadas a elas, considerando toda a chapa. “O que a gente verificava é que as mulheres ficavam como suplentes”, afirmou. Essa é a regra hoje destinada aos advogados negros.

Para ela, a história da ocupação dos espaços de decisão na OAB refletia poucos casos de advogadas que conseguiam “furar a bolha” no processo eleitoral, o que, acredita, deve mudar nos próximos anos. Atualmente, 50,3% das filiações na Ordem são de mulheres.

‘PRIMEIRO PASSO’

Para o presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, a paridade de gênero representou um avanço. “Saímos de uma situação de não ter mulheres à frente das seccionais e agora cinco advogadas foram eleitas para dirigir a OAB nos Estados”, afirmou em nota. “Este é o primeiro passo, essencial, em um processo que deve garantir às mulheres crescente participação na Ordem, em especial nos cargos de direção da entidade.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Daniela Borges, que também é presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada da OAB, apenas dez mulheres haviam ocupado a presidência de seccionais até hoje na Ordem, número que saltou para 15 em apenas um ano. “Nós começamos o triênio falando sobre a questão das mulheres na política no Congresso. Não podemos defender só fora, temos que praticar dentro.”

Para a especialista em direito eleitoral e fundadora da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), Gabriela Rollemberg, “é importante que a OAB dê esse exemplo e certamente tem outras instituições que vão avançar nesse olhar para a composição de sua diretoria”.

Já a idealizadora do coletivo Advogadas do Brasil, Valéria Pelá, acredita que a paridade ainda é formal. “Mesmo entrando no sistema OAB agora, (…) vamos ter que trabalhar muito para que a nossa presença nos espaços decisórios seja vista como um ganho para a sociedade, para a democracia e para a instituição.” Para ela, quem está excluído da diretoria, não tem a mesma visibilidade e oportunidade dos mandatários.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar