Menu
Brasil

Aeroporto de Porto Alegre exibe sinais da destruição um mês após alagamento

A água que inundou a pista no dia 3 de maio subiu rapidamente e, em quatro dias, atingiu 65 centímetros no pavimento

Redação Jornal de Brasília

04/06/2024 13h21

Foto: Ricardo STUCKERT / Brazilian Presidency

CARLOS VILLELA
PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS)

Mais de um mês após a interrupção das operações por tempo indeterminado, o aeroporto internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, ainda exibe sinais da destruição causada pela enchente do lago Guaíba.

Dentro do terminal de passageiros no térreo, a remoção da maior parte do entulho já foi feita, mas o chão segue coberto por uma camada fina de lama seca.

A água que inundou a pista no dia 3 de maio subiu rapidamente e, em quatro dias, atingiu 65 centímetros no pavimento. Desde então o aeroporto está fechado, e o prazo previsto para reabertura é a segunda quinzena de dezembro.

O térreo concentra operações de desembarque nacional e internacional, recheck-in e órgãos públicos como Receita Federal, Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Polícia Civil e PF (Polícia Federal).

Também foram atingidas locadoras de veículos e empreendimentos como Starbucks, livraria Cameron, Rei do Pão de Queijo e NBA Park.

Os bancos de espera estão sujos com detritos como barro, folhas e pequenos galhos, e a bem iluminada sala de desembarque estava às escuras.

No pavimento também estão o equipamento de esteiras de bagagem, elevadores e escadas rolantes, todos danificados pela imersão.

A pista do aeroporto, submersa por mais de 20 dias, já está quase toda seca e sem grandes pontos de lama volumosa. O trabalho de varredura começou na segunda-feira (3), para remover a sujeira acumulada nas ranhuras.

Nos campos laterais à pista a água ainda está acumulada, e a vegetação que era verde está queimada ou escurecida.

“Estamos falando de uma pista que não é simplesmente asfalto”, disse Edgar Nogueira, vice-presidente da Fraport Brasil.

Segundo Nogueira, a camada de recape de uma pista de aviação pode ter entre 30 a 40 centímetros de espessura.

A operação de sondagem do solo, para identificar o nível de infiltração de água, deve ser concluída em 45 dias. A partir dessa data, um prazo específico será estipulado. Ainda assim, o retorno não será completo.

“Dezembro é uma operação parcial”, disse o vice-presidente da Fraport Brasil. A operação incluiria “voos domésticos com pista reduzida, não atendendo todas as aeronaves”.

Na segunda-feira (3), uma comitiva integrada pelo ministro Paulo Pimenta (PT), agentes da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e a CEO da Fraport Brasil, Andreea Pal, se reuniu para delimitar o cronograma de ações para a retomada das atividades do Salgado Filho.

“Para que isso aconteça em dezembro, precisamos de vários entes trabalhando em conjunto”, disse Nogueira. Isso inclui a chegada de equipamentos importados no prazo e a parceria da Aeronáutica para a retomada das operações.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado