Menu
Política & Poder

Paes exonera secretário e desfaz aliança com Eduardo Cunha, Waguinho e Crivella

Paes nomeou para a pasta Gustavo Freue, atual chefe de gabinete do presidente da Câmara Municipal do Rio, Carlo Caiado

Redação Jornal de Brasília

04/06/2024 13h08

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), exonerou nesta terça-feira, 4, o secretário de Habitação, Marcus Vinicius Medina Costa, aliado político do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha. O movimento do chefe do Executivo carioca desfaz uma aliança costurada com o Republicanos para as eleições municipais e afasta o grupo de Waguinho, presidente estadual da legenda, do ex-prefeito da capital Marcelo Crivella e Cunha da campanha à reeleição.

A exoneração de Marcus Vinicius foi publicada nesta terça no Diário Oficial. Paes nomeou para a pasta Gustavo Freue, atual chefe de gabinete do presidente da Câmara Municipal do Rio, Carlo Caiado. Argentino, Freue já comandou a Secretaria de Habitação entre 2022 e 2023 e a Secretaria de Esportes no segundo mandato de Paes.

Um dos motivos apontados por aliados do prefeito do Rio para o rompimento com o Republicanos foi o cancelamento de uma licitação em andamento que beneficiaria a ONG Contato, investigada por contratos com a Fundação Ceperj e com ligações com o clã Brazão, denunciados como mandantes da morte da vereadora Marielle Franco. Segundo interlocutores de Paes, havia uma pressão do grupo do Republicanos para que a licitação fosse levada adiante. Procurada pela reportagem, a Prefeitura do Rio ainda não havia se pronunciado até a publicação desta matéria.

O Republicanos nega que o desembarque do governo tenha qualquer ligação com a licitação em andamento que beneficiaria a Contato. Em nota, o partido diz que Paes não cumpriu os compromissos assumidos com a sigla ao firmar a aliança.

“O verdadeiro motivo da nossa saída, deveu-se a que na prática, nenhum dos compromissos assumidos com o partido, quando aceitamos firmar a aliança, foram cumpridos, onde filiações de candidatos na legenda não foram feitas, nomeações saindo em conta gotas, a maioria travadas, obras prometidas e não iniciadas, sem a menor garantia de sua real execução, além do impacto no resultado da nossa chapa de vereadores, desses compromissos assumidos, mas não realizados a contento”, diz o Republicanos.

Além de Marcus Vinicius, também foram exonerados os presidentes da Rioluz, Raoni César Ras, e do IplanRio, Michell Yamasaki Verdejo, indicados pelo Republicanos.

O partido de Waguinho, um dos aliados mais próximos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que vinha costurando a aproximação de Paes com o Republicanos, diz ainda que “a relação de confiança foi quebrada, pelas insinuações divulgadas acerca dessa suposta contratação, onde frisa-se, que os reais vencedores dessa licitação, já prestam serviços a prefeitura em outras secretarias, além de também prestarem serviços em emendas parlamentares de deputados aliados do prefeito, sem qualquer indício de nenhuma irregularidade”.

“Não temos o poder, mesmo ocupando Secretaria da Prefeitura, de definirmos quem vence uma licitação, feita pelas regras legais, com critérios definidos pela gestão municipal, e sempre de forma transparente através de pregão eletrônico, ou chamamento público, onde o critério de decisão é o menor preço, obedecidas as condições técnicas previstas nos respectivos editais, feitos pelas regras da Prefeitura”, diz.

Estadão Conteúdo

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado