Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Máfia dos Concursos: PCDF faz operação contra compra de vagas do STJ

Publicado

em

Jéssica Antunes
[email protected]

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpre 13 mandados de busca e apreensão na 4ª fase da Operação Panoptes, que investiga irregularidades e fraudes em concursos públicos da capital. Desta vez, a apuração foca em um certame do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Servidores são suspeitos de terem pago muito dinheiro em troca de vagas na Corte.

São escassas as informações sobre a ação. Ainda não foram divulgados quem são os alvos, o teor das supostas fraudes, o ano do certame em xeque e se a Corte é um dos locais a serem cumpridos os mandados de busca.  Procurado, o STJ ainda não se posicionou sobre a operação, realizada pela Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) após receber apurações iniciais tocadas pela Polícia Federal.

Leia mais: STJ: 10 são afastados suspeitos de comprar vagas em concurso 

Desde 1999, seis certames foram realizados pelo Tribunal, sempre organizados pela mesma banca, o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), o antigo Cespe, que foi alvo em outras fases de operações deflagradas pela PCDF. Nos concursos de 2008, 2012 e 2015, mais de 1,2 mil candidatos foram aprovados.

O último foi aberto em janeiro deste ano para provimento de vagas e formação de cadastro de reserva em cargos de níveis médio e superior para analista e técnico judiciário. Os salários variam de R$ 6.708,53 a R$ 11.006,82. O resultado final e homologação foram publicados em julho deste ano, com validade até 2020.

O Jornal de Brasília procurou a organizadora e aguarda retorno. Em agosto de 2017, a sede do Cebraspe foi alvo de mandados de busca e apreensão. Em outubro daquele ano, um funcionário chegou a ser preso como um dos líderes da organização criminosa. Os investigadores chegaram até a professores que pagaram para entrar na Secretaria de Educação do DF.

Mais sobre o assunto:
Operação Panoptes: PCDF mira nova máfia de concursos públicos 
Máfia coloca concursos em xeque no DF
Operação Panoptes: PCDF abre nova fase contra a máfia dos concursos
Concurso da CLDF era próximo alvo dos bandidos
Professores pagaram R$ 120 mil para fraudar o último concurso público

 


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA

Publicidade