Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Roubos em shoppings no DF deixam autoridades em alerta

Com a chegada das festas junto ao último trimestre do ano, existe a possibilidade de aumento no número de crimes contra estabelecimentos comerciais

Foto: Reprodução

A incidência de roubos em comércios no Distrito Federal têm deixado as autoridades em alerta. Dois assaltos em especial fizeram com que os investigadores da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), divulgassem imagens e avisos de precaução a comerciantes.

Com a chegada das festas junto ao último trimestre do ano, existe a possibilidade de aumento no número de crimes contra estabelecimentos comerciais. Isso faz com que as autoridades fiquem em alerta em novos casos.

Os assaltos, que ocorreram no fim do mês de setembro e no início do mês de outubro, foram aplicados contra uma loja de sapatos e uma loja de joias. Vídeos de câmeras de segurança dos locais captaram imagens dos autores e da abordagem na hora do crime.

Outubro

Ocorrido no início de outubro, o assalto a loja de joias foi anunciado por um homem alto, que vestia uma blusa cinza com detalhes em azul. Essas características, no entanto, não eram desconhecidas aos lojistas. Os atendentes informaram que o criminoso teria ido até o local dias antes do assalto.

Nesse caso, o assaltante anunciou o roubo, pediu o dinheiro do caixa e as joias. Os atendentes passaram a mercadoria e o dinheiro de prontidão. Uma câmera de segurança do local filmou a abordagem. Confira:

O diretor da Divisão de Repressão à Latrocínio e a Furto e Roubo de Cargas (DRLC/CORPATRI), delegado Elianto Couto, informou que os comerciantes devem estar atentos a esses comportamentos, que são comuns nesse tipo de crime. “Na loja de joias foi informado que o assaltante foi até o local alguns dias antes do assalto. É preciso analisar o comportamento dos clientes. Esse pessoal, antes de praticar o crime, comparecem nas lojas e observam o funcionamento, para decidir o melhor momento para agir”, disse.

Apesar do dano material, o crime terminou sem nenhuma vítima e não contou com uma abordagem agressiva do assaltante. O mesmo, entretanto, não aconteceu com a loja de sapatos, também alvo de um assalto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Setembro

No segundo assalto, ocorrido no fim de setembro, o criminoso, que usava uma blusa cinza, anunciou o roubo utilizando uma faca. O delegado Couto informou que uma luta corporal chegou a ser travada entre o assaltante e um cliente que estava no local. “Ele mostrou uma faca e entrou em luta corporal com um dos clientes da loja”, contou.

Após o crime, o homem fugiu. O caminho da fuga não foi completamente detectado pela polícia, pois saiu da visão das câmeras de segurança. Couto informou que não foi identificado se o homem tinha um comparsa. “Ele fugiu e na sequência a gente não conseguiu acompanhar se alguém ajudou na fuga”.

Vídeos de câmeras de seguranças do shopping filmaram o assaltante chegando até o local. Veja:

Apesar da violência com que o assalto foi anunciado, ninguém saiu ferido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Crescimento nos roubos

O último trimestre do ano traz consigo mais perigos para estabelecimentos comerciais. Esse aumento ocorre, segundo o delegado Couto, pela chegada das festas de fim de ano. “As festas do fim de ano fazem com que os roubos aumentem. É um tipo de mercadoria que tem uma saída muito rápida, então que rouba, vai revender”, afirmou.

Couto disse ainda que a pandemia pode ser um agravante para a alta de casos. “A pandemia também é um fator, os comércios estavam fechados e agora reabriram, isso gera uma passagem muito maior de pessoas. Esse ano a expectativa é que o natal seja maior que o ano passado. Com a circulação maior, os criminosos ficam antenados”.

Em recomendação, o delegado afirma que o melhor é sempre estar atento e avisar à polícia ou a segurança do local. “Ao analisar a atividade dos clientes, é necessário avisar em qualquer movimentação estranha que for notada. Ou a polícia, ou a segurança do local.”, aconselhou.

Ainda não existem levantamentos sobre os prejuízos causados as lojas roubadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar