Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Oficina capacita mulheres do Sistema Prisional na produção de estofados

Inicialmente, cinco mil mulheres participarão da oficina, sendo capacitadas e contratadas com uma bolsa de ressocialização de R$ 825,00

Por Geovanna Bispo 04/08/2021 3h28
Foto: Divulgação

A oficina para produção de estofados e capas de sofá para mulheres do Sistema Prisional do Distrito Federal começará na próxima terça-feira (10). Inicialmente, cinco mil mulheres participarão da oficina, sendo capacitadas e contratadas com uma bolsa de ressocialização de R$ 825,00.

Elas irão trabalhar na própria unidade, onde a empresa Montreal Montadora de Móveis do grupo Novo Mundo, montou um polo de produção. O projeto é uma parceria da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), por meio da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap), a Secretaria de Administração Penitenciária (Seape) e a iniciativa privada.

Para a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, o principal objetivo do curso é a redução da criminalidade. “Uma forma de proporcionar o retorno da reeducanda ao convívio com a sociedade é por meio do trabalho. O que nós fazemos é aproveitar o período de cumprimento de pena para oferecer qualificação profissional a essas mulheres”. De acordo com a diretora Executiva da Funap, Deuselita Martins, “apenas 5% dos reeducandos inseridos no mercado de trabalho voltam a reincidir no crime. Os benefícios desse processo também estão ligados a propiciar uma renda para ajudar no sustento das famílias das reeducandas”.

Chamamento Público

A Montreal Montadora de Móveis atendeu a um chamamento público aberto pela Funap/Sejus no dia 6 de janeiro deste ano, para convocar empresas interessadas em utilizar os espaços das unidades prisionais para promover a capacitação profissional, e a contratação de presos do regime fechado e semiaberto. O Edital segue aberto para que outras empresas possam formalizar essa parceria com o governo. Os interessados devem procurar a sede da FUNAP/DF, situada no SIA Trecho 02.






Você pode gostar