Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Mais de 500 vagas em cursos profissionalizantes serão ofertadas aos reeducandos do DF

As vagas são voltadas para homens e mulheres do Sistema Prisional, com o objetivo de ressocialização

Uma parceria entre a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap), órgão vinculado à Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), e a Secretaria de Educação permitirá o atendimento de 520 reeducando do Sistema Prisional do DF em cursos de educação profissional e tecnológica do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Do total de vagas ofertadas, 352 serão destinadas à população em cumprimento de pena intramuros e 168 para egressos do sistema prisional, para o regime aberto, livramento condicional ou aquelas cujo término de pena ocorreu há menos de 1 ano.

De acordo com a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, o acesso aos cursos profissionalizantes oferece aos reeducandos conhecimento de qualidade e contribui para seu processo de ressocialização. “As oficinas ampliam as oportunidades de capacitação, de forma articulada com as políticas de geração de trabalho, emprego e renda, além de contribuir com a elevação da escolaridade dos reeducandos e a prestação de apoio social às suas famílias”, completou a secretária.

Os cursos serão realizados no Centro de Internamento e Reeducação-CIR, onde serão instaladas três turmas de 20 alunos para os cursos de pintor de paredes, assistente administrativo e copeiro, com carga horária de 160h a 180h. Na Penitenciária I do Distrito Federal (PDF I), haverá uma turma de 12 alunos para o curso de vendedor. Também serão oferecidos cursos para 20 alunas da Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF), com duas turmas, sendo uma de curso de corte e costura e outra de curso de agente de limpeza e conservação, ambas com cargas horárias de 160 horas.

“A Funap tem dado continuidade aos programas de inclusão e reintegração social dos reeducandos, com o objetivo de promover melhorias em suas condições de vida, baseadas em uma experiência profissional”, destaca a diretora da Funap, Deuselita Martins.








Você pode gostar