Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Ibaneis espera zerar fila de violência doméstica no DF

Ao lado da ministra Damares Alves, governador lançou nesta segunda (24) o aplicativo “Proteja-se”, voltado para o combate à violência

Por Willian Matos 24/05/2021 10h57
Foto: Reprodução

O governador Ibaneis Rocha e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, lançaram nesta segunda-feira (24) o aplicativo “Proteja-se”. O app foi criado a partir de uma parceria entre GDF e o Ministério e se soma aos canais de denúncia Disque 100 e Ligue 180.

A ministra Damares Alves chamou de “extraordinária” a interação do Ministério com o GDF e citou que um dos resultados é a diminuição de casos de feminicídio na capital. Sobre o app, Damares acredita que ele irá proteger “mulheres, crianças e idosos”. “Ele vem para a gente fechar esse cerco no combate à violência”, declarou a ministra, ressaltando, também, que “tem muitas pessoas que não estão vivenciando um ciclo de violência, mas estão precisando ser socorridas”.

Damares também elogiou o governador Ibaneis Rocha, classificando-o como “corajoso e ousado”. A ministra falava de violência contra mulheres idosas, quando mandou um recado aos autores deste tipo de crime: “Nós vamos pegar todos vocês. A vida de vocês não vai ser fácil.”

Ibaneis devolveu os elogios e disse que o governo federal vem divulgando pouco o trabalho de Damares e do Ministério e que irá conversar com o presidente Jair Bolsonaro a respeito. “É um trabalho que pega todos os vulneráveis: crianças, jovens, adolescentes, mulheres e os idosos”, declarou. “Da próxima vez que eu estiver com o presidente da República vou dizer a ele que está na hora de começar a divulgar esse grande trabalho que vocês estão realizando.”

Sobre o aplicativo, Ibaneis espera que seja uma arma para “zerar a fila de violência doméstica” no Distrito Federal. “Tenho certeza que o resultado do lançamento desse aplicativo, aliado às políticas que nós já desenvolvemos junto à Secretaria de Segurança de proteção das famílias e com a aprovação no Congresso Nacional que vai tratar os crimes de violência doméstica com mais rigor nós vamos conseguir zerar essa fila de violência doméstica aqui no Distrito Federal”, projetou o governador, dizendo ainda que o app será usado de exemplo por outros governadores brasileiros.

Também estiveram presentes no lançamento do “Proteja-se” a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, o secretário de Segurança Pública, Júlio Danilo, o secretário de Relações Exteriores, Vitor Paulo, e o secretário de Atendimento à Comunidade, Severino Cajazeiras.

Sobre o app

O aplicativo Proteja-se é lançado em parceria com o Disque 100 e o Ligue 180, os canais de denúncias do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O objetivo é acelerar o encaminhamento e, por consequência, o atendimento de quem vive uma situação de risco e de violação de direitos humanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A pessoa que fizer a denúncia só precisa mandar uma mensagem. Ela poderá ser atendida por meio de um chat ou em libras. Também é possível incluir fotos e vídeos à solicitação. As denúncias de violência contra a mulher feitas pelo app, quando ocorridas no Distrito Federal, serão encaminhadas à Polícia Civil do DF (PCDF) para apuração das informações.

Paralelamente, a equipe da Ouvidoria da Secretaria da Mulher (SMDF) terá acesso a todas as denúncias feitas pelo Ligue 180 e irá encaminhá-las à Coordenação de Equipamentos da Subsecretaria de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres (Subev). A partir daí, os casos serão monitorados para que esta mulher tenha acesso aos serviços de acolhimento, capacitação e atendimento psicossocial, oferecidos pelos Centros Especializados de Atendimento à Mulher (Ceam), pela Casa da Mulher Brasileira e pelo Espaço Empreende Mais Mulher, todos da SMDF.

As informações serão encaminhadas também a um ou mais órgãos do Sistema Nacional Integrado de Direitos Humanos da ONDH, que inclui Ministério Público, Judiciário, segurança pública, conselhos tutelares e a rede de equipamentos de acolhimento do GDF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar