Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

DF Social paga mais de R$ 8,5 milhões para 56.609 famílias

Devido a trâmites operacionais, o benefício pode demorar um pouco mais para ser creditado em algumas contas

Arte: Divulgação/Sedes

Está liberado nesta sexta-feira (1º) o pagamento para 56.609 famílias da parcela de junho do programa DF Social. O benefício de R$ 150 é concedido mensalmente aos grupos familiares com renda per capita de até meio salário mínimo, inscritas no Cadastro Único.

De acordo com a gestora do programa, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), o valor total da folha de pagamentos de junho do DF Social ficou em R$ 8.513.230. Devido a trâmites operacionais, o benefício pode demorar um pouco mais para ser creditado em algumas contas.

A previsão orçamentária do DF Social atende cerca de 70 mil famílias. Porém, existem beneficiários que foram contemplados e não recebem porque não abriram a conta social no Banco de Brasília (BRB). Atualmente, há 13.391 pessoas nessa situação.

“Muitas pessoas têm direito ao benefício, atendem a todos os critérios, mas nem sabem que foram contempladas”, explica a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha. “Por isso, reforço aqui o pedido para que o cidadão faça a sua consulta no site GDF Social e veja se está entre os beneficiários. Se seu nome estiver lá, abra a sua conta no BRB Mobile para receber o DF Social já no próximo pagamento.”

Ao acessar o site do GDF Social, a pessoa deve entrar no link “Consulta DF Social”, informar CPF e data de nascimento. Após esse procedimento, aparece mensagem na tela informando se a pessoa está ou não na lista de contemplados. “Caso você atenda aos critérios de concessão do DF Social e esteja com o Cadastro Único atualizado, mas seu nome não estiver aparecendo no site, aguarde a liberação do benefício”, orienta a secretária.

A abertura da conta pode ser feita pelo aplicativo BRB Mobile. Basta seguir o passo a passo neste link.

O programa

O DF Social foi criado para manter o auxílio às famílias que vivem em situação de extrema vulnerabilidade social no Distrito Federal, após o fim, no ano passado, do DF Sem Miséria, benefício que era atrelado ao programa Bolsa Família, extinto pelo governo federal, para dar lugar ao Auxílio Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ressaltamos que, sempre que o benefício é liberado para novas famílias, é enviado aviso por meio de mensagem SMS aos telefones informados durante o atendimento”, lembra Mayara Rocha.

Para ser contemplado no DF Social, o cidadão precisa estar inscrito no Cadastro Único. Confira, abaixo, o perfil das famílias em situação de baixa renda priorizadas pelo programa.

→ Beneficiárias do DF Sem Miséria em outubro de 2021 e que não atingiram renda familiar per capita mensal de R$ 140, enquanto mantida esta condição;
→ Monoparentais chefiadas por mulheres;
→ Com crianças de até 6 anos;
→ Com pessoas com deficiência;
→ Com pessoas idosas;
→ Que estejam em situação de rua;
→ Beneficiárias do auxílio emergencial do governo federal e que não foram contempladas pelo Auxílio Brasil.

Para participar do programa, não é necessário solicitar a inclusão. Caso o cidadão preencha todos os pré-requisitos e esteja inscrito no Cadastro Único, estará apto a receber o benefício, conforme priorização das famílias e compatibilidade orçamentária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações da Agência Brasília








Você pode gostar