Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Não sou tão burro assim

Por Werner Rech 20/09/2021 10h33
Burrinho de Pelúcia

Você já deve ter passado pela vontade de jogar tudo para o alto. Eu não só passei por essa vontade como abracei ela algumas vezes. Sempre que voltava a estudar via que eu não era tão burro assim.

Em vários momentos da minha carreira concurseira acabei desistindo dos estudos. Os motivos eram inúmeros e pareciam tão relevantes naqueles momentos, mas hoje eu nem lembro exatamente quais eram.

Não vou escrever o clichê: “só passa quem não para de estudar”. Tendo em vista que ele não foi totalmente verdadeiro para mim.

Talvez eu possa dar uma nova cara para essa frase. Acredito que só passa quem não deixa o sentimento de fracasso prevalecer.

Sempre que eu parava de estudar sentia o peso do fracasso. Sentia que tinha jogado fora muito tempo da minha vida.

Esse sentimento fazia com que eu batesse no fundo do poço e voltasse para os estudos. Não queria deixar o fracasso prevalecer.

Depois da desistência vem o retorno

As vezes esses períodos de fracasso duravam meses, mas no final eu voltava aos estudos. Nesse momento via que eu não era tão burro assim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Começava a reler meus resumos e fazer exercícios. Notava que eu tinha perdido o ritmo, mas não o suficiente para me achar burro.

No entanto, entre “não ser tão burro assim” e ser aprovado era uma distância grande. O ritmo de estudo e a estratégia de longo prazo me parecem, hoje, o diferencial entre quem passa e quem não passa.

Tenho certeza que se eu fizesse uma prova hoje falharia miseravelmente. Talvez essa frase soe chocante para você que me acompanha nas redes sociais (caso ainda não siga clique aqui), mas eu tenho uma notícia para você: os professores não sabem tudo.

Além disso, o ritmo, a estratégia e as motivações do concurseiro são poderosas na hora de fazer uma prova. Inclusive já falei sobre isso por aqui. Foi isso que eu notei nessas idas e vindas dos estudos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ter muita capacidade e estudo não é suficiente para passar. É necessário entender que o ritmo e a estratégia falam mais alto. Além disso, existe uma infinidade de outros fatores que podem te beneficiar, como é o caso da Escadinha dos Concursos Públicos:

Se você continua estudando e se sente capaz de passar, está na hora de começar a ter ritmo e estratégia para não ser somente “não tão burro assim”.








Você pode gostar