fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Futebol Candango:“O pior já passou”, diz Richard Dubois

O Candangão vem em um bom momento na opinião do presidente da Arena BSB, consórcio que administra o Mané Garrincha

Pedro Marra

Publicado

em

PUBLICIDADE

Com a autorização do Governo do Distrito Federal (GDF) para realização de jogos de futebol profissional em Brasília, teve autoridade que comemorou a decisão. O sinal verde do Poder Executivo local passa a valer assim que o decreto com as medidas for publicado no Diário Oficial do DF (DODF). Um protocolo de segurança foi criado para estabelecer algumas regras sanitárias impostas pela pandemia do novo coronavírus, como a ausência de torcedores, desinfecção interna dos estádios, o uso de máscaras de proteção nos vestiários e a disponibilidade de álcool gel para todos os profissionais. Por outro lado, as partidas de futebol amador permanecem proibidas.

A decisão vem em um bom momento na opinião de Richard Dubois, presidente da Arena BSB, consórcio que administra o Mané Garrincha. “É o mesmo sentimento que toda a cadeia de valor do esporte e entretenimento tem. O pior já passou, estamos voltando com jogo sem público. A gente sabe que temos uma longa e penosa retomada para a normalidade. A gente sabe que a jornada vai ser longa, mas pelo menos começamos a andar. É triste ver o estádio sem público, mas é mais triste ainda não ter jogo e não ter público”, afirma.

Richard acredita que não há perigo de contaminação dos envolvidos com a partida, tendo em vista que há um hospital de campanha da covid-19 no estádio. “Não tem risco nenhum. O hospital de campanha não atrapalha em absolutamente nada. Foi feito pela entrada do portão T, e a entrada da imprensa é pelo portão A. Continuamos usando o estádio com nossas operações. reduzimos a nossa jornada de trabalho e não tivemos um caso entre os funcionários da Arena. O hospital ocupa uma pequena parte do estádio. A única coisa que vai seguir reduzida, além de não termos torcida, é a área da zona mista, muito por causa do elevador usado pelo hospital”, explica.

Para Márcio Coutinho, diretor da Federação de Futebol do DF (FFDF), é importante que todos tenham consciência nesse retorno. “O mundo não pode parar. Os caras precisam trabalhar. Tem que voltar, se cuidar e pedir a Deus que nada de ruim aconteça com ninguém”, analisa Careca, como é conhecido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade