fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Torcida

COI inventa moda; CONMEBOL contra a pirataria

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Olavo David Neto e Petronilo Oliveira
redacao@grupojbr.com

A primeira coluna do novo ano traz considerações sobre a decisão do Comitê Olímpico Internacional (COI) de proibir qualquer manifestação política por parte de atletas nas Olimpíadas de Tóquio; análises de elenco de Bragantino (ou só Red Bull?) e Brasiliense e um pouco da nova estratégia da CONMEBOL para evitar transmissões “piratas” em seus torneios. Feliz 2020!, apesar de parecer que nada mudou…

Olimpíadas

Na marca de exatos 200 dias para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, o Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou nota na qual afirma que não permitirá manifestações políticas por parte de atletas no evento. Circulada na quinta-feira (9), a medida vem em meio às tensões geradas pela ação norte-americana no Oriente Médio e à declaração de guerra por parte do Irã. O comitê alegou, num claro distanciamento da realidade, que, com tais demonstrações, “a dignidade da competição estará destruída para todos os atletas.” Simplesmente patético.

Está nos livros

O esporte é palco para tudo: de manifestações cômicas e amenas às reivindicações de cunho político. Retirar o caráter social de uma competição é mantê-la numa bola de ignorância. É ver o navio afundar e permanecer na melodia. Onde estava o COI, por exemplo, quando os EUA boicotaram a Olimpíada de Moscou, em 1988? Tentam, cada vez mais, tirar dos esportes uma das características mais marcantes: a representatividade. Como a favela ganha notoriedade com os milhares de jogadores de futebol a brilhar nos campos brasileiros, indivíduos afetados por conflitos utilizam esta plataforma para se fazerem ouvir.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem são vocês?!

Atitudes como a da última quinta, apesar de tomadas por uma Comissão de Atletas do comitê, mostram que gestores de grandes eventos e esportes se arrogam donos das competições ou das modalidades que dirigem. Guardam no bolso a chave e se têm como proprietários da casa. Nada. São funcionários, servem ao esporte, e não ao contrário. Se querem disputa assépticas, que o façam em suas casas, em seus países. Para um comitê que sequer com o nazismo se importou, lá na década de 1930, e levou o maior evento esportivo do planeta para debaixo da asa de Hitler, o COI se mostra muito “isentão”.

Bolso aberto

Os leitores mais assíduos bem sabem a opinião da Entrelinhas sobre o Red Bull/Bragantino, por isso deixaremos as críticas de lado. Vocês viram o quanto eles já gastaram neste início de ano? Somados os gastos dos quatro grandes paulistas, ainda não supera o dinheiro investido pelo mais novo time de Bragança. Só na parte da frente, o Rei Artur, ex-Ceará e Palmeiras, foi contratado por R$ 25 milhões; quanto a Alerrandro, cria do Galo mineiro, a negociação não teve valores revelados, mas, segundo o TransferMarket, o atleta custava cerca de R$ 8 milhões em 27 de novembro, dois dias antes do Atlético confirmar a venda do atacante. Só aí já seriam R$ 33 milhões, mais um elenco recheado de jovens valores.

Candanguinhos

Neste fim de semana, os dois representantes do Distrito Federal na Copa São Paulo de Futebol Júnior foram eliminados. O Real Brasília, após duas vitórias e uma derrota, classificou-se no grupo 21 atrás do Grêmio/RS. No domingo, caiu frente à Chapecoense pelo placar mínimo. O Gama foi vice no grupo, mas do Athletico/PR, e deu adeus à Copinha no sábado. Contra o Tupi, o alviverde perdeu, nos pênaltis, após empate em 1 a 1 no tempo normal. Campanhas heroicas, se levada em consideração a incipiência do futebol de base no DF.

Elenco fechado?

O goleiro Elisson foi a última contratação do Brasiliense para o Candangão. Entretanto, há um dilema no clube. São 35 atletas no grupo. Há quem concorde que o grupo está inchado e ache plausível negociar ou emprestar alguns jogadores que não sejam do agrado do técnico Mauro Fernandes. Porém essa corrente é o lado fraco da força. Exatamente porque, segundo informações obtidas pelo Entrelinhas, o dono do clube não quer se “desfazer” de nenhum jogador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pode ser um tiro no pé

Cobrindo futebol há muito tempo, cremos que manter um elenco muito inchado não é muito certo. Isso porque os que não ficam nem no banco de reservas, de uma maneira geral, ficam insatisfeitos, treinam mal e acabam fazendo a panelinha dos revoltados e isso pode contaminar o ambiente.

Caça aos Piratas

A empresa Irdeto, com experiência em segurança digital, firmou uma parceria com a CONMEBOL e vai rastrear e punir (tirar do ar) todos os meios de transmissão não oficiais comandados pela entidade sul-americana. Não estamos aqui defendendo a pirataria. Mas é um absurdo você ter que pagar caro pra ter uma TV a cabo com o canal da emissora que vier a fazer acordo com a CONMEBOL. É como no Brasileirão e estaduais. Nem contratando o serviço de alguma TV a cabo é suficiente para ter certeza que você vai ver o jogo do seu time de coração. Para isso, além de assinar com a TV a cabo, tem que pagar o pay per view. Isso porque o Brasil é o país do futebol. Será mesmo? Cada vez mais não cremos nisso. Futebol, assim como em todos os outros esportes, é paixão de quem tem dinheiro.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade