fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Empresário diz que bancou jatinho para buscar Salles e Flávio Bolsonaro em Fernando de Noronha

A viagem ocorreu no último domingo, dentro de um feriado prolongado, e foi confirmada por Moura, dono da Espaçolaser Depilação

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Vinicius Sassine
Brasília, DF

Empresário do ramo de depilação, Ygor Alessandro de Moura afirmou à reportagem que bancou o envio de um jatinho particular ao arquipélago de Fernando de Noronha (PE) para transportar o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) até São Paulo.

A viagem ocorreu no último domingo, dentro de um feriado prolongado, e foi confirmada por Moura, dono da Espaçolaser Depilação.

Flávio, o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), havia pedido que o Senado reembolsasse as passagens usadas para sua viagem privada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois da revelação do pedido, o gabinete do senador afirmou que houve um equívoco e que o congressista pediu para cancelar o reembolso.

A volta acabou sendo providenciada por Moura.

Segundo ele, o envio do jatinho a Fernando de Noronha, para buscar Salles e Flávio, foi um pedido do secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten, que comemorou seu aniversário em Maresias, no litoral paulista. O ministro e o senador participaram da festa.

“Fabio é meu amigo há muito tempo, é meu vizinho de praia em Maresias. Foi uma demanda de Fabio, e então emprestei [o jatinho]”, disse Moura à reportagem.

“Minha amizade é com o Fabio. É meu amigo e vizinho. Salles e Flávio eu apenas conheço, porque são amigos de Fabio”, afirmou o empresário.

Moura disse não enxergar nenhum problema “na esfera pública e privada” ao custear o voo do jatinho ao ministro e ao senador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nunca tinha feito um empréstimo assim. Eu emprestei também um helicóptero, para buscar um cantor para a festa.”

O jatinho Embraer, modelo EMB-505, é operado pela SPCTA Táxi Aéreo.

A empresa pertence ao grupo JHSF, que atua nos mais diferentes ramos, da hotelaria a empreendimentos imobiliários, passando por um aeroporto privado em São Roque (SP).

O voo contratado pelo empresário, para buscar o ministro e o senador, custou R$ 57 mil, segundo fontes a par da contratação. O grupo JHSF confirmou que o jatinho “foi colocado à disposição” de Moura.

O empresário é cliente de um programa de compartilhamento, ao qual a aeronave está associada, e fez o pedido para a realização do voo, segundo a assessoria de imprensa da JHSF. “Não se trata de operação de táxi aéreo”, afirmou a assessoria do grupo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os registros do jatinho na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) mostram que a aeronave está proibida de fazer o serviço de táxi aéreo. O que houve, assim, foi um voo particular.

Para aderir ao programa de compartilhamento de aeronaves, cada cliente paga uma taxa de adesão de US$ 400 mil –R$ 2,3 milhões, pela cotação do dólar nesta terça-feira (3). Além disso, conforme o grupo JHSF, são necessários mais US$ 6.142 (R$ 35,3 mil) de manutenção.

Já a hora de voo custa US$ 1.750 (mais de R$ 10 mil), e a quantidade varia conforme o pedido de percurso pelo cliente.

A festa de Wajngarten em Maresias reuniu integrantes do governo Bolsonaro, entre eles Salles e o senador Flávio. Procurado, o gabinete do senador afirmou que ele “pegou uma carona no avião citado pela reportagem”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ele foi de Noronha para Maresias para participar de um evento organizado pelo secretário-executivo do Ministério das Comunicações. O deslocamento ocorreu de maneira regular e não feriu qualquer regra”, disse o gabinete.

A reportagem questionou o ministro do Meio Ambiente e sua assessoria sobre o voo no jatinho pago por um empresário, mas não houve retorno até o momento.

Em Fernando de Noronha, Salles teve uma agenda de trabalho.

Dois dias antes do voo no jatinho, na sexta-feira (30) , ele assinou documento que autoriza a pesca de sardinha na área do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. O ato foi comemorado por Bolsonaro nas redes sociais.

A flexibilização preocupa ambientalistas e tem a discordância da área ambiental do governo de Pernambuco.

A permissão para a pesca se dará por meio de termos de compromisso firmados entre o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e pescadores da região.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade