fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Deputada denuncia Bolsonaro à Organização Mundial da Saúde

Em entrevista, Bolsonaro chamou de “extremismo” e “histeria” medidas adotadas diante da pandemia do coronavírus, que no Brasil já infectou 200 pessoas

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Nesta segunda-feira (16) a deputada federal e líder do PSOL na Câmara dos Deputados, Fernanda Melchionna, junto à bancada do partido, afirmou que denunciará o presidente Jair Bolsonaro à Organização Mundial da Saúde, instando o organismo internacional que notifique o Brasil de suas obrigações e apure os descumprimentos das normas internacionais por parte do presidente da república. 

Ao cumprimentar pessoas e estimular aglomerações em manifestações antidemocráticas e autoritárias, o Presidente contraria determinações e recomendações de autoridades de saúde nacionais e internacionais, que têm o objetivo de prevenir a propagação do novo coronavírus. Trata-se de uma postura extremamente grave e irresponsável de um chefe de Estado diante de uma pandemia em curso, colocando em risco a saúde dos brasileiros e brasileiras, e da população mundial como um todo.

“Bolsonaro cometeu dois crimes. Um de saúde pública ao estimular e participar dos atos deste domingo e por isso o estamos denunciando na OMS. O segundo crime é contra a Constituição Federal ao vibrar e fortalecer vozes autoritárias que pedem AI-5 e ditadura. Ele sem dúvida não pode continuar governando”, disse a deputada.

O Brasil é um dos 194 membros da Organização Mundial da Saúde (OMS), organismo internacional fundado em 1946 com o objetivo de promover a saúde dos povos e viabilizar a coordenação sanitária a nível global. As atitudes de Bolsonaro desrespeitam frontalmente a Constituição da OMS e o Regulamento Sanitário Internacional, instrumentos internalizados a ordem jurídica brasileira de modo vinculante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em entrevista à CNN Brasil do último domingo (15), Bolsonaro também chamou de “extremismo” e “histeria” medidas adotadas diante da pandemia do coronavírus, que no Brasil já infectou 200 pessoas. Ele ainda insinuou haver interesses econômicos e políticos nas medidas para tentar conter a transmissão do vírus.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade