Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Moro critica chapa Lula-Alckmin e diz que a cada eleição ‘são sempre as mesmas coisas’

“Está na hora de acabar com essa história de a cada quatro anos ficar pensando entre PSDB e PT”, disse o pré-candidato em evento

Por FolhaPress 27/01/2022 2h22

Carolina Linhares

Em evento de filiação do deputado Arthur do Val ao Podemos, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) criticou a aproximação entre o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Pregando o caminho da terceira via, também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) enganou a população.

Arthur do Val, membro do MBL (Movimento Brasil Livre), deve concorrer ao Governo de São Paulo pelo Podemos. “A gente precisa ter uma cara nova. Alguém jovem, mas maduro para dar um novo rumo para o estado. Não é possível que a cada quatro anos nós tenhamos sempre as mesmas coisas. Quando a gente vai ver no fundo, como hoje tem esse movimento do ex-governador Alckmin em direção do PT, será que é tão diferente assim? Então a gente precisa ter realmente uma cara nova”, discursou Moro.

“Está na hora de acabar com essa história de a cada quatro anos ficar pensando entre PSDB e PT. Agora a gente está vendo que o PT está ameaçando voltar para São Paulo, não é só no país que isso é um risco”, completou.

O evento de filiação de Arthur ocorreu em um teatro na capital paulista. Apesar de ter prometido divulgar, na sexta (28), seus ganhos atuando em consultoria nos EUA, o presidenciável do Podemos ignorou o tema em sua fala. Mais cedo, à coluna Painel, o ex-juiz disse que ganhou da consultoria Alvarez & Marsal valores “muito distantes” dos milhões de reais que são especulados.

A remuneração de Moro na Alvarez & Marsal é alvo de investigação no TCU (Tribunal de Contas da União) por suspeita de conflito de interesses –a consultoria foi nomeada judicialmente para atuar na recuperação judicial de empresas alvo da Lava Jato. O PT cogitou propor uma CPI sobre o tema.

Ao falar com a imprensa após o evento, Moro afirmou que as suspeitas são fantasias e mentiras. Ele disse ainda que escolheu prestar contas em suas redes sociais para não ceder ao que considera um abuso do TCU. “Quem não deve não teme, meus rendimentos são todos lícitos, normais. Eu não queria ceder ao abuso. Eu não vou apresentar ao TCU, porque está abusando do poder, o processo é ilegal, mas vou apresentar para todas as pessoas nas minhas redes sociais”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Eu sempre combati a corrupção e sempre atuei com integridade. Como não tem o que falar do meu trabalho, tem gente que fica fantasiando e mentindo. Porque o pessoal tem medo, está vendo que o projeto está crescendo, com o Podemos, com o MBL”, afirmou à imprensa.

Ele negou ter conhecido o dono da Alvarez & Marsal, Eduardo Seixas, antes de trabalhar na empresa. “É um monte de fantasia”, rebateu. Também negou rumores de que estaria de saída do Podemos ou de que haveria uma debandada de filiados do partido em curso. “Só se for debandada para o Podemos. Esse é o caminho pelo qual vamos arrebentar a polarização”, disse.

Moro afirmou trabalhar “por um país melhor, sem Lula e sem Bolsonaro”. “Começa a formação de uma terceira via, uma alternativa a essas propostas extremas do país, com a união de um movimento e um partido político”, completou.
Em seu discurso, o ex-juiz também mirou em Lula e Bolsonaro, seus principais adversários eleitorais.

“Querem que a gente esqueça que eles provocaram a maior recessão da história do país”, disse Moro a respeito do PT, lembrando do petrolão e do mensalão. A respeito de Bolsonaro, afirmou que a população quer um presidente “que vai defender a ciência e não vai negar os fatos”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moro afirmou que, enquanto juiz da Lava Jato, receber o apoio dos movimentos de rua, como o MBL e o Vem Pra Rua, foi gratificante. “A gente sabia que era aquilo que fazia a pauta anticorrupção avançar. […] A Lava Jato é de vocês, foi uma conquista da sociedade brasileira”, disse.

Arthur do Val afirmou que São Paulo é o estado que mais rejeita Lula e Bolsonaro. “A terceira via nasce daqui”, disse.
O deputado discursou contra o pacto federativo, pregando que a arrecadação do estado de São Paulo serve para sustentar outros estados.

Falando a respeito do cenário estadual, em que as candidaturas do PSDB e do PT costumam predominar, Arthur afirmou que os dois partidos se unem na Assembleia Legislativa para aprovar projetos impopulares, como aumento de impostos.

Outros nomes do MBL também se filiaram ao Podemos no evento -ou devem se filiar na janela partidária, como o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e o deputado estadual Heni Ozi Cukier (Novo-SP).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o MBL vai oferecer ao Podemos um palanque para Moro em São Paulo, com candidatos a deputado federal e estadual. Kim concorrerá à reeleição, e Heni tentará uma vaga no Senado. Kim afirmou que o MBL é vítima de menosprezo dos inimigos e ridicularizou a iniciativa do PT de propor uma CPI para investigar os ganhos de Moro na iniciativa privada.

Presidente do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP) agradeceu aos membros do MBL pela filiação, chamando-os de “time de notáveis e idealistas”. O evento reuniu mais de 350 pessoas no auditório, a maioria jovens, como costuma ser o público do MBL. Não havia distanciamento entre os assentos, mas todos os presentes usavam máscara. Moro foi aplaudido de pé.

Também discursaram a ativista Adelaide Oliveira e o vereador Rubens Nunes, membros do MBL que devem ser candidatos a deputado federal pelo Podemos. O palco teve ainda a presença do general Carlos Alberto Santos Cruz (Podemos) e de André Janones, presidenciável do Avante.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Renan Santos, coordenador nacional do MBL, abriu o evento chamando a Lula e Bolsonaro de “monstros” e “demônios”. Segundo ele, Bolsonaro roubou os sonhos e o legado dos movimentos de rua. A plateia reagiu chamando o presidente de “vagabundo”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Janones afirmou que é preciso acabar com a radicalização e com o discurso de ódio. Depois de ser provocado por Abreu sobre uma futura filiação ao Podemos, disse estar em um projeto nacional diferente, mas que tem o mesmo objetivo. “O povo brasileiro não tem que escolher entre comer ou não ser roubado”, completou.

Santos Cruz, que foi ministro de Bolsonaro, assim como Moro, afirmou que “a esperança se diluiu rapidamente” e que o presidente seguiu a “cartilha do autoritarismo”. Foi aplaudido ao dizer que as Forças Armadas não devem participar do jogo político.

“O Brasil não pode ficar preso na armadilha do populismo. […] A regressão institucional é a destruição da democracia e esse é o risco que estamos correndo”, afirmou a respeito da escolha entre Lula e Bolsonaro. Nunes afirmou que a aliança entre o MBL e o Podemos é necessária para “conter o avanço do bolsopetismo”.








Você pode gostar