Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Governo federal: viagens nas asas do contribuinte

Marcos Degaut, é recordista em viagens do governo federal, sendo ele o funcionário público que mais viajou ao exterior, e já custou à União mais de R$ 1.2 milhão

Por Lucas Valença 25/05/2022 7h04

O futuro embaixador do Brasil nos Emirados Árabes Unidos, o atual secretário de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa, Marcos Degaut, é recordista em viagens do governo federal, sendo ele o funcionário público que mais viajou ao exterior, e já custou à União mais de R$ 1.2 milhão.

Desde quando foi nomeado para o ministério da Defesa, que até então era comandado pelo general Braga Netto, que deixou a função em maio deste ano e é cotado para ser vice do presidente Jair Bolsonaro (PL), Degaut fez, ao menos, 24 viagens internacionais.

Os trajetos no exterior, porém, se somam às mais de 50 viagens feitas pelo servidor no Brasil. Ao total, a União gastou R$ 771.971,18 com as passagens do possível futuro embaixador (uma média de R$ 11 mil por viagem).

As passagens mais caras compradas foram as realizadas por Degaut a Moscou, na Rússia, e a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em fevereiro deste ano e ao Riad, na Arábia Saudita, em março deste ano. As passagens custaram R$ 67.504,07 e R$ 55.838,38, respectivamente.

Levantamento feito pelo Jornal de Brasília com o uso de dados do Portal da Transparência do governo federal, contudo, mostra que o Ministério da Defesa comprava passagens para Marcos Degaut muito mais caras do que para servidores do mesmo órgão e em comparação a funcionários de outros ministérios que acompanhavam o secretário nas viagens oficiais.

Como exemplo estão as viagens feitas por Degaut a Abu Dhabi em fevereiro do ano passado. Na ocasião, o Ministério da Defesa pagou R$ 39.696,64 pela passagem.

Outros dois servidores que o acompanharam, contudo, pagaram valores bem abaixo. É o caso de Cesar Pereira Nascimento, técnico do Ministério das Relações Exteriores, que desembolsou R$ 20.510,69 dos cofres públicos pelo mesmo trajeto e o caso do general Sérgio Luiz Tratz, chefe do Centro de Doutrina do Exército, que adquiriu a viagem por R$ 23.552,13.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em junho de 2021, Degaut também viajou para São Petersburgo e Moscou, ambos na Rússia, após gastar mais de R$ 46 mil no trajeto. O Diretor do Departamento de Defesa do Ministério das Relações Exteriores, Marcelo Paz Câmara, que o acompanhava, porém, gastou R$ 19.232,23, valor bem inferior.

Ao acompanhar a viagem presidencial a Dubai em novembro de 2021, o governo federal gastou R$ 39.696,64 para levar Degaut ao país árabe. No entanto, o valor é mais de quatro vezes o gasto pelo tenente-coronel da Aeronáutica Christiano Pereira Haag, comandante do Sexto Esquadrão de Transporte Aéreo, que fez o governo desembolsar R$ 9.911,72 pelos mesmos trajetos.

Sobre os elevados preços pago com dinheiro público para o deslocamento do secretário, o Ministério da Defesa disse que as passagens aéreas foram “emitidas na classe executiva”.

“(A classe executiva pode ser emitida) Quando a duração do voo internacional for superior a sete horas para ocupantes de cargo CCE 17 (Secretários), etc”, afirmaram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo os dados obtidos pelo Portal da Transparência, a União também já chegou a pagar diárias e despesas das viagens a Marcos Degaut que somam R$ 439.598,68.

Ao responder os questionamentos da reportagem, o Ministério da Defesa defendeu as viagens promovidas por Marcos Degaut e afirmaram que as “exportações de produtos de defesa têm batido recordes nos últimos anos”.

“Em 2019, as exportações apresentaram um crescimento de 34,4% em relação ao ano anterior e atualmente, em 2021, mesmo em momento de pandemia, atingiu a marca recorde de 1,7bilhão de dólares em autorizações de exportações, representando acréscimo de 87,2% em relação a 2018”, escreveram.

Veja a lista das viagens internacionais de Marcos Degaut:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Istambul (Turquia) – R$ 11.194,76 – 27/04/2019 a 05/05/2019;
  • Buenos Aires (Argentina) – R$ 7.365,31 – 04/06/2019 a 07/06/2019;
  • Paris (França) – R$ 18.997,04 – 15/06/2019 a 21/06/2019;
  • Londres (Reino Unido) – R$ 21.192,07 – 07/09/2019 a 14/09/2019;
  • Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos); Riad (Arábia Saudita); e Dotta (Catar) – R$ 10.469,17 –
    19/09 /2019 a 27/09/2019;
  • Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos); Riad (Arábia Saudita); e Lisboa (Portugal) – R$
    11.588,26 – 24/10/2019 a 31/10/2019;
  • Bogotá (Colômbia) – R$ 17.057,32 – 30/11/2019 a 06/12/2019;
  • Nova Dehli (Índia) – R$ 23.088,95 – 21/01/2020 a 29/01/2020;
  • Miami (EUA); e Washington (EUA) – R$ 26.430,06 – 07/03/2020 a 13/03/2020;
  • Moscow (Rússia) – R$ 50.944,05 – 20/08/2020 a 31/08/2020;
  • Sofia (Bulgária); e Plovdiv (Bulgária) – R$ 23.187,09 – 27/09/2020 a 05/10/2020;
  • Kiev (Ucrânia) – R$ 22.651,54 – 28/11/2020 a 06/12/2020;
  • Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) – R$ 38.335,21 – 17/02/2021 a 28/02/2021;
  • Doha (Catar) – R$ 12.113,66 – 12/03/2021 a 18/03/2021;
  • Bagdá (Iraque); e São Paulo (Brasil) – R$ 21.214,61 – 07/04/2021 a 16/04/2021;
  • Cairo (Egito) – R$ 28.900,03 – 05/06/2021 a 12/06/2021;
  • São Petersburgo (Rússia); Moscow (Rússia); e São Petersburgo (Rússia) – R$ 46.180,10
    – 20/06/2021 a 29/06/2021;
  • Milão (Itália); e Roma (Itália) – R$ 27.400,96 – 23/07/2021 a 31/07/2021;
  • Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos); e Madri (Espanha) – R$ 27.652,95 – 23/09/2021 a
    07/10/2021;
  • Madri (Espanha) – R$ 19.996,01 – 31/10/2021 a 07/11/2021;
  • Dubai (Emirados Árabes Unidos); Doha (Catar); e Dubai (Emirados Árabes Unidos) – R$
    39.696,64 – 11/11/2021 a 20/11/2021;
  • Cairo (Egito) – R$ 18.368,06 – 26/11/2921 a 02/12/2021;
  • Moscow (Rússia); e Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) – R$ 67.504,07 – 10/02/2022 a
    24/02/2022;
  • Riad (Arábia Saudita) – R$ 55.838,38 – 03/03/2022 a 11/03/2022;








Você pode gostar