Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Governo federal não repassou leitos e boicotou hospitais de campanha, diz Witzel

Wilson Witzel afirmou que, no início de 2019, foram solicitados 800 leitos ao então ministro da Saúde Henrique Mandetta para a administração do Estado com foco no Sistema Único de Saúde (SUS)

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O governador cassado do Rio de Janeiro Wilson Witzel afirmou que pediu ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que entregasse todos os hospitais federais e a verba necessária para fazer a reestruturação e administração no combate contra a covid-19. Segundo o ex-governador, a intenção da gestão estadual era construir 1.500 de hospitais de campanha, mas os planos “foram sabotados”. “A conclusão que eu chego é que não me deram os leitos e ainda sabotaram os hospitais de campanha exatamente para criar o caos”, denunciou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta quarta-feira (16).

Wilson Witzel afirmou que, no início de 2019, foram solicitados 800 leitos ao então ministro da Saúde Henrique Mandetta para a administração do Estado com foco no Sistema Único de Saúde (SUS). Em sua avaliação, com tais leitos, o Rio de Janeiro poderia estar “mais preparado” no combate à pandemia. “Talvez nem fossem necessários os hospitais de campanha”.

No processo de impeachment votado no início de maio em que Witzel foi condenado, estava a gestão dos hospitais de campanha do ex-governador. Ele foi condenado por crimes de responsabilidade na resposta do governo do estado à pandemia e, especificamente, pela requalificação da organização social Instituto Unir Saúde ao assumir contratos com a administração pública e a contratação da OS Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) para a construção e gestão de hospitais de campanha no ano passado.

Ainda em críticas à gestão federal, Witzel reforçou que “a ideia do governo federal era a contaminação de rebanho”. Segundo ele, foram feitas reuniões para o combate da pandemia com especialistas que constataram que a contaminação de rebanho e o isolamento vertical “não seriam suficientes para o Rio de Janeiro”. Witzel afirma que tomou medidas restritivas em aeroportos, rodovias e esvaziamento das praias para que o Estado tivesse condições para avaliar o progresso da doença no território carioca.

O governador cassado ainda afirmou que não conseguiu se reunir com o ex-ministro da Saúde Nelson Teich e esteve apenas uma vez com o também ex-ministro Eduardo Pazuello, em visita ao hospital de campanha do Maracanã. “Em todas essas oportunidades, os hospitais federais não foram colocados à disposição no Estado do Rio de Janeiro. Enquanto eu fui governador, eu não tive a colaboração absolutamente nenhuma para poder fazer enfrentamento ao combate ao coronavírus”, declarou.

Perseguição

Wilson Witzel prometeu, no depoimento à CPI da Covid, “aprofundar” suas acusações sobre estar sendo perseguido politicamente por instituições de Estado em um nova e sigilosa oitiva. A CPI avalia tomar novo depoimento de Witzel sob segredo de Justiça, como sugeriu há pouco o ex-governador. “Reafirmo que me considero perseguido politicamente por uma instituição que não deveria ser politizada, para aprofundar sobre isso, acredito que deva ser em segredo de Justiça”, afirmou Witzel.

O depoimento até agora é marcado por uma série de interrupções do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), em razão de questionamentos do relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre a relação entre Witzel e a família Bolsonaro, que hoje estão rompidos. “O que isso tem a ver com covid, na boa”?, questionou o filho de Jair Bolsonaro durante o interrogatório de Renan.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Integrantes da CPI começaram a questionar a pertinência de o relator fazer perguntas a Witzel não relacionas à pandemia, com endosso do próprio presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM). “Se Flávio apoiou Witzel, se Witzel apoiou Flávio, é problema deles”, pontuou Aziz.

Renan, com apoio de outros senadores da oposição, continuou perguntando ainda por qual razão o ex-governador declarou, em outra ocasião, que Flávio Bolsonaro deveria estar preso. “Está me desrespeitando como senador, e vou querer falar”, interrompeu Flávio. “Como essa questão é delicada e foi feita fora da situação da covid, trata da eleição e outros fatos peço escusas para não comentar tal declaração”, respondeu Witzel.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar