Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Elcio Franco nega que negociação com Butantan tenha sido cancelada

Declaração do ex-secretário vai contra as falas do presidente do Butantan

Por Willian Matos 09/06/2021 12h01
Élcio Franco na CPI Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, Antônio Elcio Franco, falou à CPI da Pandemia nesta quarta-feira (9) sobre as negociações entre a pasta e o Instituto Butantan para a compra de doses da vacina Coronavac. Elcio disse que nenhuma negociação com o Butantan no ano passado foi cancelada.

A declaração confronta o presidente do instituto, Dimas Covas, que declarou, também à CPI, que, em outubro de 2020, houve uma inflexão das negociações entre as partes. Isso porque, à época, o presidente Jair Bolsonaro teria declarado que o governo federal não compraria vacinas chinesas.

Elcio, no entanto, crava que não houve interrupções nas negociações. “As vacinas seriam adquiridas desde que confirmada a segurança e eficácia pela Anvisa”, declarou. Covas, no entanto, relembrou que, no dia 20 de outubro, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello o convidou para uma cerimônia, e que, até a data do evento, o acordo estava encaminhado. Porém, após a cerimônia, “é notório que houve uma inflexão”. Para o presidente do Butantan, as conversações não prosseguiram “porque houve uma manifestação do presidente da República dizendo que a vacina não seria de fato incorporada.”

O ruído na comunicação impediu que o governo comprasse cerca de 10 milhões de doses da Coronavac ainda em 2020. O Butantan já possuía 5,5 milhões de doses prontas ainda em dezembro de 2020, e havia mais 4,5 milhões sendo fabricadas. Elcio disse que, à época, a vacina não estava na fase 3 de estudos clínicos, que trata da testagem em número considerável de pessoas.






Você pode gostar