Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

CPI da Covid entra na reta final e mira em ministro de Bolsonaro e denúncias contra Prevent Senior

Há também a expectativa de que o relator apresente o texto final na quinta, no qual deve responsabilizar Bolsonaro por crimes comuns

Por FolhaPress 19/09/2021 5h54
Foto: Agência Senado

Renato Machado

A CPI da Covid vai entrar possivelmente em sua última semana de depoimentos com foco na apuração de denúncias que envolvem a operadora de saúde Prevent Senior e no depoimento de um ministro do governo Jair Bolsonaro.

Há também a expectativa de que o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), apresente o seu texto final na quinta-feira (23), no qual deve responsabilizar Bolsonaro por crimes comuns, como charlatanismo e epidemia; de responsabilidade, em particular contra a saúde pública e por prevaricação; e possivelmente pelo crime de genocídio contra indígenas.

Como o papel dos senadores está restrito à fase do inquérito, caberá ao Ministério Público e ao Legislativo, no caso de impeachment, avaliar se as provas apresentadas pela CPI são suficientes para os próximos passos contra o presidente da República.

No caso do presidente, cabe ao STF julgá-lo por crimes comuns. Se for essa a conclusão do relatório da CPI, caberá ao procurador-geral da República, Augusto Aras, avaliar se denuncia o presidente à corte. Para que Bolsonaro seja julgado, porém, é preciso ainda o aval de 342 deputados federais.

Caso o relatório da CPI aponte que Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade, cabe ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), avaliar se pauta ou não a votação de abertura de um processo de impeachment.

A CPI tem confirmados para esta semana dois depoimentos. Na terça-feira (21), o ministro Wagner Rosário, da CGU (Controladoria-Geral da União), e, no dia seguinte, o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior. Também existe a possibilidade de os senadores ouvirem na quinta-feira (23) o diretor da Precisa Medicamentos Danilo Trento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A oitiva de quinta-feira, se confirmada, significaria o adiamento da apresentação do relatório final da comissão, criada por ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), quando o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, ignorava as assinaturas colhidas por um grupo de senadores.

Apesar de ser considerada a reta final dos trabalhos, os membros da comissão afirmam que o principal depoimento da semana será de uma frente ainda não explorada pela comissão, envolvendo possíveis crimes praticados pela operadora de saúde Prevent Senior.

Seu diretor-executivo, Pedro Benedito Batista Júnior, deveria ter participado de oitiva na semana passada, mas não compareceu ao alegar que foi intimado de última hora e que não teria assim condições de falar.

A CPI recebeu um dossiê segundo qual a operadora usou seus hospitais como laboratórios e escondeu o número de mortes reais de um estudo envolvendo a cloroquina, medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19. O material foi inicialmente divulgado pela Globonews.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Folha teve acesso a um documento da comissão, elaborado com base no dossiê, segundo o qual a empresa omitiu sete mortes em decorrência do estudo. Além disso, o documento diz que havia orientação nos hospitais da rede para não comunicar familiares e pacientes sobre quais medicamentos receberiam.

Os dados também confirmam a ligação entre a Prevent Senior e o chamado “gabinete paralelo”, estrutura de aconselhamento de Bolsonaro para temas da pandemia, fora do Ministério da Saúde. Seus membros, com grande influência no governo, pregavam práticas negacionistas para conter a Covid-19, como medicamentos sem eficácia, oposição ao distanciamento social e às vacinas.

Alguns integrantes da CPI defendem que a investigação dos fatos envolvendo a Prevent Senior deveria adiar o encerramento das atividades. “No tocante à questão da Prevent Senior, nós temos uma situação gravíssima. Os dados, os prints de conversas, os áudios, os relatos de médicos são aterradores, uma coisa fora do normal, um desrespeito à vida, um descumprimento da obrigação ética e novamente uma clara conexão com uma estratégia de contaminação de rebanho da população”, afirmou o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

“Utilizaram um hospital e um plano de saúde como campo de teste de estratégias estapafúrdias, enlouquecidas, que não tinham nenhum respaldo científico e tinham conexão direta com o gabinete da Presidência da República, sob o ponto de vista de divulgação desses dados falsos para validar teorias, para insistir, na cabeça das pessoas, que era possível fazer um tratamento preventivo precoce.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O outro depoimento confirmado da semana será do ministro da CGU, Wagner do Rosário. O requerimento de convocação foi apresentado por senadores governistas, para que o ministro explique as investigações sobre irregularidades nos repasses federais para estados e municípios.

Desde o início da CPI, os governistas buscam tirar o foco das investigações, saindo do governo federal para os demais entes. No entanto, o grupo majoritário decidiu convocar Rosário após o lobista Marconny Albernaz de Faria revelar em depoimento que a CGU participou de uma operação contra ele, mas não tomou atitudes na ocasião.

A cúpula da comissão acredita que o ministro prevaricou e permitiu que o lobista atuasse com a Precisa Medicamentos para tentar vender testes para o Ministério da Saúde. “A CGU esteve na casa do Dr. Marconny, juntamente com policiais, levaram farto material, mas não tomaram providência, não tomaram providência com o [ex-diretor de logística do ministério] Roberto Dias. O Roberto Dias continuou lá negociando vacina”, afirmou o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), em referência ao diretor exonerado após o jornal Folha de S.Paulo mostrar denúncia de que ele teria pedido propina para avançar na compra de vacinas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“É um prevaricador. Tem que colocar isso no relatório [final da CPI], porque a função de um servidor público em fazer a sua função não é favor, é obrigação”, completou Aziz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Renan Calheiros também tem afirmado que está pronto para apresentar seu relatório ao fim desta semana. O senador tem dito que estão caracterizados os crimes de responsabilidade e comuns de Bolsonaro no enfrentamento da pandemia.

O relator e seu gabinete afirmam que o presidente cometeu os crimes comuns de charlatanismo –por defender a hidroxicloroquina– de epidemia e de infração de medida sanitária, entre outros.

Em relação aos crimes de responsabilidade, Renan deve propor o indiciamento de Bolsonaro por atentar contra o direito à saúde pública e por ter prevaricado, ao não levar para as autoridades competentes as denúncias de irregularidades envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin.

Renan também tem trabalhado com a hipótese de sugerir o indiciamento de Bolsonaro pelo crime de genocídio, por sua omissão na proteção da população indígena. A possibilidade divide a comissão. Em reunião virtual com juristas do grupo Prerrogativas, o relator ganhou apoio para a sua iniciativa.

O advogado Juarez Tavares afirmou que o crime de genocídio não se caracteriza apenas por assassinatos, mas também pela supressão das condições para que um povo sobreviva e se desenvolva. Além disso, Renan e outros membros da comissão trabalham com a hipótese de sugerir no relatório uma manobra jurídica para driblar eventual omissão do procurador-geral da República, Augusto Aras, aliado de Bolsonaro e que vai receber o documento.

Os senadores avaliam sugerir uma ação penal privada subsidiária, que pode ser iniciada por uma pessoa privada quando o Ministério Público deixa de atuar. São raros os casos de uso desse mecanismo em relação à mais alta instância da Procuradoria.

Como vem dizendo frequentemente, Renan também vai propor em seu relatório sugestão de alteração na lei do impeachment. O objetivo seria fornecer um prazo para o presidente da Câmara dos Deputados decidir sobre eventual processo de impedimento, obrigando-o a aceitar ou recusar. Em caso de recusa, cabe recurso no plenário da Casa.

O caminho do impeachment

– O presidente da Câmara dos Deputados é o responsável por analisar pedidos de impeachment do presidente da República e encaminhá-los;
– O atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é aliado de Jair Bolsonaro. Ele pode decidir sozinho o destino dos pedidos e não tem prazo para fazê-lo;
– Nos casos encaminhados, o mérito da denúncia deve ser analisado por uma comissão especial e depois pelo plenário da Câmara. São necessários os votos de pelo menos 342 dos 513 deputados para autorizar o Senado a abrir o processo;
– Iniciado o processo pelo Senado, o presidente é afastado do cargo até a conclusão do julgamento e é substituído pelo vice. Se for condenado por pelo menos 54 dos 81 senadores, perde o mandato;
– Os sete presidentes eleitos após a redemocratização do país foram alvo de pedidos de impeachment. Dois foram processados e afastados: Fernando Collor (1992), que renunciou antes da decisão final do Senado, e Dilma Rousseff (2016).








Você pode gostar