Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Com microfone dado por Bolsonaro no Pará, apoiador pede defesa de garimpeiros e madeireiros

“Que ele use a caneta Bic, para ele mandar de parar queimar máquina do povo brasileiro, dos garimpeiros e dos madereiros”

Foto: Reprodução

Em evento nesta sexta-feira (18) com a presença de Jair Bolsonaro em Marabá, no sul do Pará, um dos apoiadores usou o microfone dado pelo presidente para fazer a defesa de madeireiros e garimpeiros. “Eu vim do outro lado do [rio] Jamanxim dá o recado a vocês”, disse o apoiador do presidente após ser conduzido ao microfone pelo próprio Bolsonaro. “Que ele [Bolsonaro] use a caneta Bic, que o povo deu pra ele, para ele mandar de parar queimar máquina do povo brasileiro, dos garimpeiros e dos madereiros”.

O simpatizante do presidente citou os municípios paraenses de Novo Progresso e Itaituba, e o distrito Castelo dos Sonhos, que pertence a Altamira, ao afirmar que o povo da região está agradecido e que “isso que o senhor fez o povo jamais vai esquecer”, em referência à pavimentação de um trecho da BR-163. O evento para a entrega de 50 mil títulos fundiários ocorreu em um parque de exposições e foi aberto ao público.

Logo no início da atividade, Bolsonaro pediu que uma “cerquinha” fosse aberta para que as pessoas pudessem se aproximar. O evento teve clima de campanha eleitoral e contou com gritos de “Lula, ladrão” e a presença do pastor Silas Malafaia. O tom de campanha eleitoral esteve presente o tempo todo na cerimônia, seja em discursos de políticos locais, de Malafaia ou na fala do próprio Bolsonaro. Com aglomeração, não havia nenhum distanciamento entre as pessoas -muitas sequer usavam máscaras.

Em sua fala, Bolsonaro agradeceu a presença de Malafaia e disse que a entrega dos títulos fundiários afasta o risco de ações do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). “Deixei para citar por último uma pessoa que me é muito grata, veio do Rio de Janeiro acompanhando a comitiva, uma pessoa que não me defende, fala a verdade […], que é o Silas Malafaia. Um gigante, um homem de fé, mas um homem que tem Deus, além de Deus no coração, ele o tem nas cores verde e amarela.”

Segundo o presidente, o homem só pode produzir se tiver segurança no que trabalha e que os títulos distribuídos nesta sexta permitirão isso. “Dessa forma, cada vez mais, nós afastamos as atividades nefastas do MST”, afirmou Bolsonaro.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar