Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Primeira-ministra da Suécia renuncia poucas horas após ser eleita 1ª mulher no cargo

Andersson era até agora ministra das Finanças do governo do primeiro-ministro Stefan Löfven, que renunciou após sete anos no cargo

Por FolhaPress 24/11/2021 4h01
Foto: AFP

SÃO PAULO, SP

Poucas horas após ter sido eleita primeira-ministra da Suécia pelo Parlamento do país, a social-democrata Magdalena Andersson renunciou ao cargo nesta quarta-feira (24), em meio a uma disputa sobre o Orçamento. Ela seria a primeira mulher a ocupar o posto de chefe de governo da nação escandinava.

Andersson era até agora ministra das Finanças do governo do primeiro-ministro Stefan Löfven, que renunciou após sete anos no cargo. Após dias de negociação, a social-democrata recebeu 117 votos a favor que ela assumisse o cargo, e 174 deputados votaram contra seu nome. Na Suécia, um candidato ao cargo de chefe de governo não precisa do apoio da maioria no Parlamento para aprovação, apenas que a maioria da Casa (175 ou mais) não vote contra seu nome.

Na noite de terça (23), no limite do prazo, a economista e ex-nadadora de 54 anos conseguiu um acordo com o Partido de Esquerda, o último apoio que faltava para chegar ao governo.

Nesta quarta-feira, porém, o Partido de Centro anunciou que não apoiaria o Orçamento do governo devido ao acordo anunciado com os esquerdistas. “Não podemos apoiar o Orçamento de um governo que está se movendo largamente à esquerda”, disse a líder da legenda, Annie Loof.

Isso abriu espaço para que o Parlamento rejeitasse o Orçamento proposto pela nova primeira-ministra e para que a oposição de direita impusesse emendas como a redução de impostos no petróleo e o aumento de gastos no sistema judiciário para combater o crime. A princípio, Andersson minimizou o revés: “Sou da opinião que isso [o Orçamento] é algo com o qual eu posso conviver”, disse, antes da votação.

O maior golpe veio horas depois, porém, quando o Partido Verde resolveu também se retirar da coalizão do novo governo após a recusa do Orçamento. Isso obrigou a recém-eleita a deixar o cargo. “Há uma prática constitucional segundo a qual um governo de coalizão renuncia quando um partido sai. Não quero liderar um governo cuja legitimidade esteja em questão”, disse, acrescentando que espera ser reeleita em votações futuras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A parlamentar tem boas chances de ser reconduzida ao cargo. Os partidos Verde e de Esquerda disseram que a apoiariam em uma nova eleição, enquanto o Centro prometeu se abster. Embora esses partidos não tenham conseguido chegar a um acordo em relação ao Orçamento, as legendas estão unidas em manter o SD (Partido dos Democratas Suecos), populista e anti-imigração, longe do governo.

Magdalena Andersson foi eleita a menos de um ano das próximas eleições legislativas, que vão acontecer em setembro de 2022. O desafio dela seria conseguir manter os sociais-democratas no poder, no momento em que o partido registra seu menor índice histórico de aprovação.

Löfven, que deixou o cargo, havia conseguido formar uma coalizão minoritária dos sociais-democratas com os Verdes, além de manter o apoio dos partidos de Esquerda e Centro. Esse complexo equilíbrio, agora, colapsou, com o Centro tendendo à direita e desconfiado da crescente influência do Partido de Esquerda.

Mesmo que conseguisse acalmar a base, Andersson enfrentaria uma série de desafios. A violência aumentou na maior parte das cidades suecas, com brigas de gangues e tiroteios. Além disso, a pandemia da Covid-19 também expôs lacunas no elogiado estado de bem-estar social sueco, uma vez que o país não estabeleceu medidas nacionais de lockdown ou de contenção do vírus pelo uso de máscara.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também há pressões para que o governo acelere a mudança para uma economia verde, para a atingir os objetivos de redução de poluentes e conter as mudanças climáticas. Andersson se tornou, ainda que por poucas horas, primeira-ministra 100 anos depois que as mulheres passaram a ter direito a voto na Suécia e 40 anos depois que a vizinha Noruega elegeu a primeira mulher para o cargo. “Sei o que isso significa para as meninas do nosso país”, disse. “Também fui uma menina na Suécia, e a Suécia é a terra da igualdade de gênero. Estou profundamente emocionada”, afirmou a jornalistas.

QUEM É MAGDALENA ANDERSSON, 54
Histórico e formação: Nadadora de elite na juventude, formou-se na prestigiada Escola de Economia de Estocolmo
Carreira: Entrou na política recrutada pelo primeiro-ministro Goran Persson (1996-2006); foi vice-chefe da agência sueca de impostos entre 2009 e 2012 e assumiu o Ministério das Finanças em 2014
Situação política: Assumiria a menos de um ano das próximas eleições, com uma coalizão política fragilizada e sem acordo para aprovar Orçamento








Você pode gostar