Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Partido Comunista Chinês está mais repressivo em casa e mais agressivo no exterior, diz Blinken

A China não havia comentado o discurso até a publicação deste texto

Por FolhaPress 26/05/2022 7h00
Foto: Reprodução

Rafael Balago
Washington, EUA

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, fez nesta quinta (26) um discurso duro contra a China, no qual acusou o país asiático de agir de modo desleal com outras nações e de ampliar a repressão interna.

“Sob o presidente Xi [Jinping], o Partido Comunista se tornou mais repressivo em casa e mais agressivo no exterior. Vemos que Pequim tem aperfeiçoado a vigilância em massa e exportado essa tecnologia para mais de 80 países”, afirmou Blinken, em pronunciamento na Universidade George Washington.

No discurso, que teve a política dos EUA em relação à China como tema, o chefe da diplomacia americana disse que a estratégia de seu país se concentra em três pontos: fortalecimento para competir em melhor nível com o rival asiático, criação de mais parcerias com outros países, especialmente os da Ásia, e esforços para impedir que a China tire vantagens desleais das regras americanas e internacionais.

A China não havia comentado o discurso até a publicação deste texto. O jornal Global Times, ligado ao Partido Comunista, publicou uma reportagem classificando a fala do americano de “tediosa”. No texto, especialistas ouvidos pelo jornal avaliam que os EUA agem com hipocrisia ao usar palavras bonitas enquanto mantêm práticas erradas, como a de colocar o país em posição de vilã, com argumentos falsos.

Blinken começou a fala, de 45 minutos, com elogios sobre a capacidade de crescimento chinês e as possibilidades de cooperação. Também disse que os EUA não querem uma nova Guerra Fria e, por isso, buscam manter a paz com Pequim. Porém, logo partiu para as críticas, como a de que a atuação chinesa no exterior coloca em risco o sistema global criado após a Segunda Guerra, que inclui órgãos como a ONU.

Para ele, a China é o desafio mais sério e de longo prazo a esse modelo. “É o único país com a intenção de reformar a ordem internacional e com poder econômico, diplomático, militar e tecnológico para fazer isso”, afirmou. O secretário disse ainda que os EUA querem mudanças no sistema internacional, para adaptar as regras aos tempos atuais, mas sem deixar de lado valores como democracia e direitos humanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“[A China] se coloca como defensora da soberania e da integridade territorial enquanto fica ao lado de governos que as violam. Mesmo quando a Rússia estava claramente se mobilizando para invadir a Ucrânia, os presidentes Xi e [Vladimir] Putin declararam ter uma amizade ‘sem limites'”, acrescentou.

Ainda no campo externo, afirmou que a China usa seu poder econômico para pressionar outros países a se alinharem a ela, citando o caso da Austrália, alvo de novas tarifas comerciais e de barreiras ao turismo chinês depois de o país defender mais investigações sobre a origem do coronavírus.

Ao falar sobre repressão interna, Blinken acusou a China de manter mais de 1 milhão de pessoas em campos de detenção em Xinjiang, onde a maioria da população é muçulmana, de fazer campanha brutal contra o Tibete e de impor medidas antidemocráticas em Hong Kong. “Pequim insiste que são questões internas, que os outros não têm direito de mencionar. Isso é errado. Essas ações vão contra a Carta das Nações Unidas e a Declaração Internacional dos Direitos Humanos”, disse.

Sobre Taiwan, que Pequim considera uma província rebelde, Blinken afirmou que a posição ambígua dos EUA segue a mesma: defender o conceito de uma só China ao mesmo tempo que ajuda a ilha a fortalecer sua defesa militar e reforça a atuação internacional do governo em Taipé. “Nos opomos a qualquer mudança unilateral no status quo e não apoiamos a independência de Taiwan”, ressaltou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na segunda-feira (23), durante viagem à Ásia, o presidente Joe Biden afirmou que os EUA usariam a força para defender Taiwan caso o território fosse invadido pela China. Pouco depois, a Casa Branca buscou minimizar a declaração e reforçar que a posição americana sobre o tema seguia igual.

Na área econômica, o secretário fez diversos ataques às ações comerciais do rival. Acusou o país de concorrência desleal, por práticas como subsídio estatal a empresas e desrespeito a direitos trabalhistas.

Ofereceu como exemplo fabricantes chineses que vendem aço a preços baixos por não terem a obrigação de obter lucro. Assim, teriam dominado o mercado e quebrado indústrias do setor de vários países.

Blinken disse ainda que a China se aproveita da abertura ocidental para espionar e roubar conhecimento técnico. “Empresas americanas que operam na China têm sido sujeitas a transferências obrigatórias de tecnologia, enquanto empresas chinesas na América têm sido protegidas pela lei. Filmes chineses podem ser vendidos livremente nos EUA, sem nenhuma censura. Mas Pequim limita estritamente o número de filmes estrangeiros no mercado chinês, e os que são permitidos estão sujeitos à censura pesada. Essa falta de reciprocidade é inaceitável e insustentável”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como resposta, disse que os EUA continuarão a combater subsídios e barreiras comerciais, mas não anunciou novas medidas. “Estamos afiando nossas ferramentas, que incluem controles novos e mais fortes sobre exportação, para garantir que inovações importantes não terminem em mãos erradas.” A produção de baterias para carros elétricos e painéis de energia solar foi citada como uma área crítica.

O secretário também defendeu mudar as cadeias de produção, para trazer indústrias de volta ao solo americano e de outros países parceiros, de modo a diminuir a dependência chinesa. A relação é complexa porque, apesar das diferenças políticas, os países possuem economias muito integradas, em que empresas americanas aproveitam as indústrias chinesas para produzir itens a preços mais baixos.

Durante o governo do presidente Donald Trump (2017-21), os EUA adotaram uma postura agressiva em relação à China. O republicano, que acusava o país asiático de tirar empregos de americanos, aumentou tarifas de importação e buscou ampliar barreiras contra produtos chineses. A guerra comercial foi contida após um acordo entre os dois países, no começo de 2020.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em seu mandato, Biden manteve a retórica anti-China. Um novo distanciamento entre Washington e Pequim se deu neste ano, com a Guerra da Ucrânia. Os americanos buscaram parcerias para ajudar Kiev, enquanto os líderes chineses procuraram se abster ou ficar contra medidas internacionais contra Moscou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar