Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Dirigentes do BoE alertam para inflação elevada e riscos, mas reafirmam aperto

Ramsden, por sua vez, afirmou que o BoE busca garantir que não ocorra “desancoragem” nas expectativas de inflação

O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey, e outros dirigentes da instituição reafirmaram o compromisso em controlar o quadro inflacionário no Reino Unido, reconhecendo também incertezas na perspectiva. Bailey e os dirigentes Dave Ramsden, Johathan Haskel e Michael Saunders participaram de audiência do Comitê do Tesouro do Parlamento, nesta segunda-feira, 16.

Bailey disse “não estar nada feliz” com a perspectiva para a inflação, mas notou que 80% do impacto para ela estar acima da meta é causado por itens como energia e bens comercializados. Ele lembrou que o cenário-base do BoE continua a ser de inflação de volta à meta adiante, “mas temos riscos de alta”.

O presidente do BoE destacou riscos à perspectiva, como a política de covid zero da China, que “provoca efeitos reais na atividade”, como mostraram dados publicados mais cedo no país, notou. Segundo ele, o Reino Unido tem sofrido “uma sequência de choques sem precedentes”, com fatos como o quadro na China, a pandemia e a guerra na Ucrânia.

Saunders comentou que as expectativas de inflação estão “desconfortavelmente elevadas”, no quadro atual, mas o BoE reafirmou seu compromisso com contê-la, retornando à meta de 2%. Saunders disse que o BC não tem meios de impedir um choque de energia como o atual, mas possui instrumentos para levar a inflação de volta à meta depois disso. Ainda segundo o dirigente, o mercado de trabalho do país está “muito apertado”.

Ramsden, por sua vez, afirmou que o BoE busca garantir que não ocorra “desancoragem” nas expectativas de inflação no Reino Unido. Ele também mencionou o trabalho do BC para analisar como pode se comportar o mercado de trabalho do Reino Unido, com os impactos da pandemia ainda reverberando.

Bailey foi questionado sobre riscos à perspectiva. O presidente do BoE previu um “choque na renda”, com a inflação elevada, o que deve ter efeitos na demanda doméstica. Além disso, notou que “claramente podemos ter mais problemas nas cadeias de produção da China”. O quadro na Ucrânia também foi mencionado por ele, já que pode trazer “ainda mais pressão de alta” sobre os preços de energia.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar