Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Ações da Petrobras desabam 13,6% nos EUA após troca no comando da estatal

Já o time da XP diz que, embora a notícia seja negativa, pela avaliação de que tal rotatividade não é saudável para nenhuma empresa

Por FolhaPress 24/05/2022 6h52

Lucas Bombana
São Paulo, SP

Os investidores reagiram bem mal à nova troca no comando da Petrobras, determinada pelo governo Jair Bolsonaro nesta segunda (23). Os papéis da petroleira desabaram nesta terça-feira (24) até 13,6% nos EUA e caíram até 3,06% no Brasil, após o governo anunciar a substituição do atual presidente, José Mauro Coelho, que havia tomado posse há apenas 39 dias.

Nos Estados Unidos, a baixa de 13,6% ocorreu nos ADRs (American Depositary Receipt) que correspondem aos papéis preferenciais; no caso dos ordinários, foi de 12,5%.

Na Bolsa brasileira, as ações preferenciais da petroleira caíram 3,06%, enquanto as ordinárias tiveram desvalorização de 2,96%. O índice amplo de ações Ibovespa encerrou a sessão em leve alta de 0,21%.

Coelho passou a sofrer fritura após a empresa anunciar um reajuste no preço do diesel, no começo de maio.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tem criticado tanto os reajustes da empresa como o lucro trimestral de R$ 44,5 bilhões da Petrobras, que chamou de “estupro” neste mês.

Em nota sobre a troca anunciada na véspera, o governo afirma que o país vive um momento desafiador e que é preciso trabalhar por um “cenário equilibrado na área energética”. Bolsonaro deve indicar Caio Mário Paes de Andrade, secretário do ministro Paulo Guedes, para assumir a presidência da empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

ASSOCIAÇÃO DE INVESTIDORES DIZ QUE FALTA AMADURECIMENTO DO GOVERNO NA CONDUÇÃO DA ESTATAL

Segundo avaliação da Amec (Associação de Investidores no Mercado de Capitais), a gestão de companhias com capital misto tem sido conduzida como uma política de extensão ministerial, onde a arbitrariedade na tomada de decisões tem prevalecido de forma incompatível com o relacionamento exigido em companhias listadas em Bolsa.

“Falta amadurecimento do sócio controlador na articulação com os demais acionistas e na escolha de nomes para os principais cargos executivos”, diz nota assinada pelo presidente da associação de investidores, Fábio Coelho.

A Amec assinala ainda que a troca de executivos não guarda relação com o desempenho operacional e de gestão da empresa, “o que impressiona aqueles acostumados com melhores práticas de governança e com maturidade no relacionamento com o mercado.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A nota oficial divulgada pelo Ministério de Minas e Energia menciona que ‘o governo renova o seu compromisso de respeito a governança da empresa, mantendo a observância dos preceitos normativos e legais que regem a Petrobras’, o que soa como algo dissociado da realidade dos fatos”, aponta a associação.

Os analistas da Guide endossam em relatório que, apesar de esperada, a troca é ruim para a empresa, ao afetar novamente o quesito de governança corporativa, dada a interferência na estatal.

“Além disso, esperamos questionamentos por parte dos investidores sobre a capacidade do indicado para prosseguir com o plano estratégico que vinha sendo seguido pelos ex-presidentes”, dizem os analistas.

Já o time da XP diz que, embora a notícia seja negativa, pela avaliação de que tal rotatividade não é saudável para nenhuma empresa, a mudança não deve gerar mudanças na política de preços de combustíveis da Petrobras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Primeiro, porque ainda vemos a Lei das Estatais e o estatuto da Petrobras blindando a empresa de subsidiar combustíveis como no passado, independentemente de quem é o CEO. Em segundo lugar, o sr. Caio é fortemente ligado a Paulo Guedes, que não é a favor de mudanças na política de preços de combustíveis da Petrobras”, apontam os analistas da XP, acrescentando que, mesmo com o barulho político, mantêm a recomendação de compra para as ações da estatal.

“Acreditamos que essa notícia deve aumentar a volatilidade no papel. Entretanto, a empresa tem gerado em torno de 40% do seu valor de mercado em fluxo caixa. Ou seja, investidor da Petrobras poderia ter seu capital remunerado via dividendos em aproximadamente 3 a 4 anos”, dizem os analistas da Genial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE







Você pode gostar