Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Datafolha: Mais de 90% em SP, RJ e MG apoiam câmeras nos uniformes policiais

Hoje, há ao menos 8.000 câmeras instaladas nas fardas de policiais militares em SP -o que corresponde a cerca de 10% de todo o efetivo

Por FolhaPress 07/07/2022 2h08
Foto: Reprodução

Ana Luiza Albuquerque

O uso das câmeras nos uniformes policiais, medida estudada na maioria dos estados, é aprovado por mais de 90% da população em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, mostra pesquisa Datafolha. Em São Paulo, 91% são a favor e 7% são contra a utilização do equipamento, que começou a ser testado no estado em 2020.

Hoje, há ao menos 8.000 câmeras instaladas nas fardas de policiais militares em SP -o que corresponde a cerca de 10% de todo o efetivo ativo da corporação, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No Rio de Janeiro, um dos estados onde a polícia mais mata no país, 92% são favoráveis ao uso da tecnologia e 6% são contrários. As câmeras começaram a ser utilizadas em maio, após atraso na instalação.

Até o momento, 3.779 unidades foram acopladas aos uniformes de policiais militares de 19 batalhões da capital, da região Serrana e do Norte/Noroeste fluminense -o equivalente a 8,7% do efetivo ativo da corporação.

Em Minas Gerais, 92% apoiam as câmeras e 7% são contrários. O instrumento ainda não foi implementado no estado, mas é previsto para o segundo semestre do ano. No Rio e em Minas, a margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%. Em São Paulo a margem é de dois pontos.

Em Minas Gerais foram entrevistadas 1.204 pessoas com 16 anos ou mais, em 52 municípios, entre os dias 29 de junho e 1 de julho. O levantamento foi registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com os números MG-07688/2022 e BR-08684/2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Rio de Janeiro a pesquisa foi realizada entre os dias 29 de junho e 1º de julho, com 1.218 pessoas com 16 anos ou mais, em 32 cidades. Ela foi registrada com os números RJ-00260/2022 e BR-03991/2022. Em São Paulo o Datafolha ouviu 1.806 pessoas com 16 anos ou mais em 61 municípios, entre os dias 28 e 30 de junho. O levantamento foi registrado no TSE com os números SP-02523/2022 e BR-01822/2022.

O uso das câmeras é em geral considerado positivo por especialistas, que vislumbram a possibilidade de haver ganhos na transparência e na conformidade das ações de segurança pública, o que já foi indicado em estudos internacionais.

Eles afirmam que, para isso, o instrumento deve ser acompanhado por uma efetiva análise do material e responsabilização de quem for gravado cometendo um crime.

Presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima afirma que a tecnologia também diminui as chances de que o policial seja pressionado a engajar em algum tipo de corrupção. “Eu reduzo a chance de que tentem corromper o policial. Aquele comerciante que vai oferecer almoço de graça para [o agente] ficar mais tempo na frente do seu comércio, o político que vai pedir para ficar na área eleitoral dele. Em geral coisas que acontecem ali na ponta, aquela microcorrupção”, diz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há preocupações de organizações de direitos humanos, porém, a respeito do armazenamento das imagens coletadas, e da possibilidade de que elas sejam utilizadas contra os cidadãos.

Segundo o Datafolha, a maior parte da população em SP, RJ e MG acredita que o uso das câmeras pode contribuir para diminuir a violência de forma geral e para impedir a ação violenta de criminosos e de maus policiais -especialmente estes últimos.

Em São Paulo, 79% afirmam que o instrumento contribuiria muito para barrar a violência dos maus agentes. No Rio, 77%. Em Minas, 80%.

Nos três estados, varia entre 67% e 75% o índice dos que acreditam que a instalação das câmeras contribuiria muito para impedir as ações violentas dos criminosos e para reduzir a violência de forma geral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com dados do 16º anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, São Paulo teve uma queda de 30% na letalidade policial entre 2020 e 2021, ano em que as câmeras começaram a ser utilizadas em larga escala.

A Folha de S.Paulo mostrou também que, entre junho e dezembro de 2020 e o mesmo período de 2021, foi registrada uma diminuição de 85% das mortes por intervenção policial nos 18 batalhões que haviam passado a usar o equipamento.

Nos três estados abarcados pela pesquisa Datafolha, a rejeição às câmeras foi maior entre eleitores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que faz acenos e tenta fidelizar os policiais militares em busca da reeleição. Seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL), criticou o instrumento em diversas ocasiões, afirmando, por exemplo, que as câmeras constrangeriam os agentes a não trabalhar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Candidato de Bolsonaro ao governo paulista, o ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos) também já deixou claro que é contrário à medida e que pode revogá-la se eleito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em São Paulo, 12% dos eleitores do presidente e 21% dos que pretendem votar em Tarcísio são contrários às câmeras. Este percentual é menor entre os eleitores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (4%) e de Fernando Haddad (2%), candidato do PT ao governo do estado.

Entre os eleitores do governador Rodrigo Garcia (PSDB), que tenta seguir no cargo, 8% são contra a medida. Em busca do eleitorado de Tarcísio, mais à direita, ele tem adotado um discurso duro na segurança pública. Já afirmou, por exemplo, que “bandido que levantar arma para a polícia vai levar bala da polícia”.








Você pode gostar