fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Itamaraty demite diplomata acusado de agredir mulheres no DF

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

João Paulo Mariano
redacao@grupojbr.com

Após anos de processos administrativos correndo no Ministério das Relações Exteriores e de mais de uma acusação de agredir mulheres, o diplomata Renato de Ávila Viana foi demitido. A exoneração foi publicada nesta quinta-feira (20), no Diário Oficial da União (DOU). Um dia antes, ele foi levado à delegacia após ser acusado de ter agredido a namorada.

Na publicação do DOU, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, afirma que a demissão estaria fundamentada no julgamento do Processo Administrativo (PAD) disciplinas a qual Renato respondeu. O servidor, que estava no Itamaraty há anos, foi demitido do cargo de primeiro-secretário do MRE, entre outros motivos, por desrespeito a correta conduta de um funcionário público.

Dentro do Itamaraty, ele já respondia por suposta agressão a uma outra servidora, além de já ter sido alvo de outros processos por má conduta durante o tempo de serviço fora do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A demissão do, agora, ex-diplomata Renato de Ávila foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) hoje. Foto: reprodução

Último caso

Na manhã desta quarta (19), a Polícia Militar recebeu vários chamados de moradores do Bloco H da 304 Norte. Uma mulher estaria gritando por socorro dentro de um dos apartamentos. Quando os policias chegaram, a mulher não respondia a nada, apenas o homem.

Após verificação, foi percebido que se tratava de Renato de Ávila e da namorada. A mulher, depois de um tempo, até se pronunciou, mas, como poderia estar sendo ameaçada, a corporação insistiu que ocorresse uma conversa. Nesse meio tempo, Renato teria começado a xingar os policias de “safados”. Os PMs tiveram que arrombar a porta do apartamento, já que eles não abriam. É possível ver esse momento em vídeo.

Ao entrar no local, os policiais perceberam que os braços da mulher estavam marcados e, por isso, prenderam o homem em flagrante. Todos foram encaminhados à 5ª DP. O caso foi registrado com base na Lei Maria da Penha. Após os depoimentos, Renato foi liberado por pagar fiança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No ano passado, ele já tinha sido acusado de ter arrancado o dente de uma mulher após uma agressão.

“Sem surpresa”

A defesa de Renato de Ávila afirmou que a demissão não foi uma surpresa, já que ele sofria “perseguição política” por ter se oposto a algumas práticas conduzidas pelo Itamaraty. Em relação ao caso de violência doméstica de ontem, ela nega que seu cliente tenha agredido a namorada. “Ela teve um surto porque não queria ficar sozinha com a mãe que tenta interná-la”, afirma a advogada Dênia Érica Gomes Magalhães. Após o fato, a jovem teria sido internada em uma clínica por sofrer “de um transtorno mental”.

O Ministério das Relações Exteriores informou que não vai se pronunciar sobre o caso além do que está disposto no Diário Oficial da União (DOU). A instituição ainda respondeu sobre a acusação de demissão por perseguição política.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Associação dos Diplomatas do Brasil (ADB-Sindical) emitiu nota onde reitera repúdio a quaisquer atos de violência e discriminação contra as mulheres. A ADB-Sindical ainda informou que já se manifestou em diversos momentos a preocupação diante das agressões cometidas por Renato de Ávila.

“É indispensável celeridade na apuração desses novos fatos e a aplicação urgente de medidas cabíveis ao caso. Não pouparemos esforços para exigir que episódios dessa natureza sejam punidos severamente na forma da lei”, finaliza a nota.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade