Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Voluntários se reúnem para ajudar estudantes de escolas públicas sem acesso a internet no DF

A modalidade pedagógica do projeto social @bsbinvisivel_ atende crianças que tenham entre 5 e 17 anos, matriculadas em escolas públicas

Foto: Agência Brasil

Maria Eduarda Cardoso e Maria Eduarda Bacellar
(Jornal de Brasília / Agência de Notícias UniCEUB)

A escassez de recursos para estudantes de regiões mais vulneráveis do DF impulsionou a criação do projeto “Escola do Cerrado” em junho de 2020, durante um dos momentos mais difíceis da pandemia.

A modalidade pedagógica do projeto social @bsbinvisivel_ atende crianças que tenham entre 5 e 17 anos, matriculadas em escolas públicas. Atende as regiões do Valparaíso, Sobradinho, Riacho Fundo, Vila Planalto, Itapoã e Varjão. Segundo a Codeplan, em índice divulgado em dezembro de 2020, as regiões administrativas Varjão e Itapoã estão entre as mais vulneráveis do Distrito Federal.

Com direção de Maria Eduarda Ferreira, Ana Beatriz Barros, Lorena Gallo, Isvi Freitas, Rafaella Sereno, Mariza Morgado, Beatriz Morais e Catarina Correa, a iniciativa conta com voluntários para praticar suas atividades. A principal metodologia adotada foi a resolução de listas em paralelo com as instituições educacionais de origem, uma vez que a pandemia exigiu a inserção desses exercícios no cotidiano dos estudantes. No entanto, pretendem ampliar a atuação no futuro.

Maria Eduarda Ferreira Barros, de 19 anos, diretora do projeto, conta que as principais dificuldades enfrentadas foram a base  de conteúdos enfraquecida, devido ao tempo longe das escolas, desmotivação e instabilidade em relação aos voluntários, que podem sair a qualquer momento. Ainda afirma que incentivam o uso de máscaras e distanciamento social por parte das crianças atendidas.

O nosso propósito é ser um auxílio da escola regular. O voluntário não acaba ali na aula, precisamos fazer um acompanhamento com o aluno. Nossa metodologia agora é voltada para a resolução das listas que vem das escolas, mas [no futuro] pretendemos colocar outros tipos de aula”.

A voluntária explicou que atualmente, para se voluntariar, não é necessário cursar graduação em alguma licenciatura, apenas ter disponibilidade de horários e vontade de ajudar ao próximo. Além disso, caso queira auxiliar financeiramente, o projeto recebe doações através da plataforma “Apoia-se” ou entrando em contato pelo instagram @escoladocerrado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Maria Eduarda diz que o projeto foi visto de maneira positiva pelas famílias atendidas e tem a intenção de continuar com as atividades mesmo depois da pandemia, com capacitação dos voluntários e extracurriculares. Ainda relembra momentos em que as crianças descreviam suas experiências “Hoje é o melhor dia da minha vida” comemorou uma criança. 








Você pode gostar