Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Transporte seguro e confortável para mulheres

Aplicativo de mobilidade chega no DF com proposta de empoderamento e liberdade feminina

Por Mayra Dias 23/09/2021 5h55

Criado com o objetivo de trazer mais segurança para as mulheres que fazem uso dos aplicativos de transporte, a plataforma Lady Driver, criada em 2017 em São Paulo, chega em Brasília neste mês de outubro. Com mais de 60 mil motoristas cadastradas e cerca de 1,5 milhão de passageiras, o aplicativo é exclusivo para o público feminino, garantindo a liberdade que, muitas vezes, elas não encontram ao entrar em um carro com um homem. “É um serviço de utilidade pública. Para a mulher se sentir segura em pedir um carro a qualquer hora do dia, usando a roupa que quiser”, pontua Gabryella Correa, fundadora do programa. 

Este ano, com o propósito de expandir o serviço e alcançar mais pessoas, a empresa começou a expandir para outras capitais brasileiras. No mês de agosto, portanto, as motoristas brasilienses dispostas a prestar o serviço começaram a ser convocadas. “Brasília é uma cidade que sempre pediu muito pelo Lady Driver. Recebia muitas mensagens de mulheres dizendo não se sentirem seguras ao solicitar transporte em outros aplicativos”, comenta Gabryella. Por esse motivo, a fundadora do Lady Driver conta estar com grandes expectativas para o lançamento na capital. “As passageiras aguardam pelo serviço ansiosamente, então já temos várias delas cadastradas na plataforma”, compartilha. 

 Para se cadastrar como condutora, contudo, é necessário baixar o aplicativo que, até o momento, está disponível apenas para sistema Android. É preciso ter carteira nacional de habilitação (CNH) com autorização para o exercício da atividade, Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), e este deve atender ao padrão exigido pela plataforma, assim como pela legislação distrital: máximo de oito anos a partir da fabricação, quatro portas, ar-condicionado e IPVA e licenciamento em dia. O serviço ainda conta com um rigoroso protocolo quanto ao cadastramento das passageiras. Há, no Lady, um sistema para verificar a veracidade do CPF cadastrado pela passageira na Polícia Federal e na Receita Federal. Caso este dado não seja real, ela não consegue realizar o cadastro na plataforma. 

Oportunidade para o público feminino 

Devido ao perfil de empoderamento feminino contido no serviço, o protagonismo feminino será exaltado, inclusive, ao se tratar de geração de renda. Com a chegada da plataforma no DF, inúmeras mulheres serão inseridas no mercado de trabalho. “O Lady traz vantagens não apenas para as passageiras, mas também para as motoristas. É uma oportunidade de independência financeira”, salienta a CEO. “O aplicativo é uma maneira rápida dessa mulher se colocar no mercado de trabalho, basta ela saber dirigir e ter, ou alugar, um carro”, completou. 

Fora a questão financeira, Gabryella chama a atenção para a questão da segurança ofertada pelo serviço a estas mulheres que precisam do emprego. “Não adianta garantir a independência financeira para essa motorista, se não há segurança para a condutora, se coloca ela para dirigir em lugares perigosos ou exposta a um público perigoso, como ocorre em outros aplicativos”, desenvolve. Ela conta ainda que, em muitas conversas que já teve com as trabalhadoras, muitas confirmaram não se sentirem seguras em outros aplicativos e, por isso, não se cadastravam neles. “Eu criei um ambiente favorável para elas, e isso me enche de orgulho”, conclui. 

Fruto de uma experiência não tão boa 

A ideia de criar o aplicativo, como expôs Gabryella Correa, veio após a mesma vivenciar uma experiência desconfortável em um carro solicitado em outra plataforma. “Passei por uma situação constrangedora, de assédio. Isso me fez pensar em quantas mulheres já haviam passado pelo mesmo inconveniente e, conversando com amigas, tive a certeza de que aquilo era uma realidade”, relembra.  A empresária, portanto, decidiu criar o Lady Driver e, hoje, o serviço é um sucesso. O Lady Driver, além de São Paulo, já opera em Uberaba (MG), Santa Maria (RS), Manaus, Taubaté e, até o começo de 2022, os planos são de estrear em mais de 60 cidades brasileiras. “O que queremos é estar em todo o território brasileiro”, finaliza. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar