Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Golpes de emprego por SMS no DF: como se proteger?

Os estelionatários aproveitam o alto índice de desemprego para lesar as vítimas com promessas de vagas de emprego falsas. Especialista explica como evitar esses golpes.

Foto: Divulgação

Por Marcos Nailton
[email protected]

Os golpes cibernéticos com o uso da internet estão cada vez mais frequentes, as pessoas estão cada vez mais suscetíveis a riscos com esses crimes aplicados diretamente através de um computador, celular ou aparelho eletrônico. No DF, muitos moradores relataram à reportagem do JBr, o recebimento de mensagens suspeitas, que geralmente, oferecem dinheiro, crédito fácil em bancos ou oportunidades de emprego.

Mesmo em queda, o número de pessoas desempregadas em abril deste ano no DF era de 15,9%, o estudo foi feito pela (PED-DF), em parceria com a Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) e o DIEESE. Os golpistas encontraram a oportunidade de convencer e extorquir cada vez mais pessoas por estes canais de comunicação, facilitados ainda, pela possibilidade de enviar mensagens para amplas listas fraudulentas de contatos em redes piratas e descredenciadas.

Segundo os dados coletados pela Polícia Civil do Distrito Federal (PC/DF), em 2020 foram registrados 7.484 casos de estelionatos praticados pela internet. Em 2021 houve um aumento de 28,5%, sendo 9.621 ocorrências.

Entre os entrevistados pelo Jornal de Brasília, está a moradora da Cidade Estrutural, Renata Saraiva, ela está desempregada e contou que recebeu uma oferta falsa de emprego através do WhatsApp em nome de uma grande empresa varejista, e após saber que se tratava de um golpe, ficou bastante chateada.

“Fiquei toda esperançosa porque conseguir emprego está muito difícil neste momento, […] Eles ficavam fazendo perguntas muito pessoais, e não pediam meu currículo, não marcavam uma entrevista certa, era tudo pelo celular, […] Eu desconfiei do golpe, parei de responder e bloqueei o contato”, contou.

Um levantamento feito pela empresa de segurança digital PSafe apontou que, a cada minuto, pelo menos duas vagas falsas são enviadas a extensas listas de contatos, atraindo cada vez mais vítimas por meio de promessas tentadoras. São propostas irrecusáveis enviadas por SMS e por outros canais, como o Whatsapp e o Telegram. Em sua maioria, vagas com altos salários, disponíveis por meio período de trabalho ou, ainda, em modelos home-office.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tipos de golpes por mensagens

De acordo com o Diretor de Produtos e Tecnologia na Pontaltech, Igor Castro, os golpes podem conter um link incorporado à mensagem de texto, assim, os criminosos convidam o usuário a conhecer melhor sobre a oportunidade em uma outra plataforma, na qual as vítimas precisam informar seus dados pessoais e, ainda, depositar uma determinada taxa para participar.

O diretor ainda conta que outra tentativa destes golpes de emprego por SMS ocorre por meio dos esquemas de gamificação. Neles, cada “novo funcionário” recebe, diariamente, tarefas a serem cumpridas com recompensas financeiras. A cada progressão, maiores ganhos são prometidos, até que, após um período, a plataforma se encerra estranhamente, fazendo com que o participante perca todo o valor investido.

“Todas as vítimas podem sofrer não apenas consequências econômicas drásticas, como também psicológicas, por terem sido alvo destes golpes. Afinal, muitos acabam entrando nesse sistema por necessidades financeiras e, acabam perdendo quantias significativas de sua renda, […] Mesmo se tratando de crimes cada vez mais presentes, dificilmente qualquer valor perdido será ressarcido por uma instituição bancária, o que acende a importância de identificar um SMS golpista de um verdadeiro”, contou Igor Castro.

Como identificar esses golpes?

Segundo o especialista, os golpes de emprego por SMS trazem textos com erros gramaticais visíveis, na sua grande maioria, enquanto nenhuma mensagem enviada por companhias oficiais conterá esses equívocos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele conta que no caso do WhatsApp, a pessoa deve sempre verificar a foto do perfil com o logotipo da empresa, certificando-se a descrição da conta comercial. Nas contas fraudulentas, por outro lado, muito provavelmente colocarão imagens de pessoas em seu lugar.

“O número registrado deve corresponder aos oficiais ligados às organizações e não aqueles costumeiros com os prefixos vistos nos contatos de pessoas físicas. Todo prisma de qualidade deve ser minuciosamente analisado, para que seja possível diferenciar as tentativas de golpes daquelas verdadeiras”, contou.

É de extrema importância que ao receber qualquer tipo de mensagem divulgando uma vaga com uma remuneração elevada, prestar atenção ao conteúdo escrito e em todas as informações compartilhadas. Caso caia no golpe, é importante que a vítima realize um boletim de ocorrência na Polícia Civil do DF (197), a vítima também pode entrar em contato ou ir diretamente até a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), localizada no Setor Policial, próximo ao parque da cidade, telefone (61) 98626-1197.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar