Brasília

Camaronês é preso no DF por abusar de mulheres em festas

Por Arquivo Geral 03/05/2018 8h21

Ana Clara Arantes
[email protected]

Um camaronês de 24 anos foi preso no Distrito Federal sob suspeita de praticar abusos sexuais. De acordo com a polícia, o jovem organizava festas em sua casa, em Vicente Pires, e oferecia bebidas alcoólicas às garotas. Embriagadas, elas eram submetidas aos abusos. O homem recebeu a voz de prisão na residência. A identidade dele não foi revelada pela polícia.

De acordo com Sandra Gomes, delegada-chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), uma das vítimas relatou que ele se identificava como DJ e distribuía panfletos das festas que promovia. Em um desses eventos, cerca de 500 pessoas teriam comparecido.

O acusado já tinha registro de duas ocorrências contra ele em outras delegacias, além de duas na própria Deam. No entanto, as investigações só identificaram o camaronês  após as últimas denúncias, no dia 21 de abril. Sandra Gomes acredita na existência de mais vítimas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Em algumas das queixas, as vítimas apontavam um nome, mas verificamos que era um apelido dele. Por isso não tínhamos conseguido chegar ainda à autoria desse crime. Mas, com esta última ocorrência, não tivemos mais dúvidas quanto à identificação do autor”, relata a delegada.

Delegada Sandra Gomes. Foto: PCDF

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) cumpriu um mandado de prisão preventiva contra o homem e um de busca e apreensão. Durante esse último, foram encontradas uma passagem para a data de 5 de maio para Camarões, seu país de origem, e uma blusa apontada como a que ele usava no dia em que uma das vítimas foi abusada.

“Foi uma investigação trabalhosa, mas estamos muito satisfeitos por termos evitado que ele deixasse o Brasil. Certamente a Justiça brasileira não o alcançaria mais. Ele já devia saber que estava sendo investigado, provavelmente veio daí a intenção de deixar o País”, analisa Sandra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo a delegada, o suspeito está matriculado no curso de medicina da Universidade de Brasília (UnB), mas não frequentava as aulas.

Ele e seu irmão mais velho vieram ao Brasil pois o pai trabalhava como adido diplomático em uma embaixada. O homem retornou ao seu País, mas os filhos permaneceram aqui. “Durante depoimento, o jovem disse que seu pai havia deixado dinheiro para eles se sustentarem até 2020”, conta a delegada.

O acusado responderá pelo crime de estupro, podendo pegar de seis até dez anos de reclusão, além de estupro de vulnerável, com pena de dez a 20 anos de prisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar