Menu
Brasília

Ação de capacitação e reciclagem nas UPAs ajuda a salvar vidas

As atividades estão sendo desenvolvidas nas UPAs desde junho e seguem até o início de setembro

Redação Jornal de Brasília

04/07/2024 12h12

Procedimentos são feitos com bonecos, simulando situações reais em que é preciso agir rapidamente | Fotos: Davidyson Damasceno/IgesDF

A Superintendência de Atenção Pré-Hospitalar do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IgesDF) solicitou à Gerência de Gestão do Conhecimento um plano de capacitação emergencial para os colaboradores das unidades de pronto atendimento (UPAs) do DF, com o objetivo de promover conhecimento e reciclagem profissional.

O Núcleo de Educação Permanente do IgesDF montou um cronograma envolvendo diversos treinamentos teóricos e práticos de atendimento a pacientes adultos e pediátricos. As atividades estão sendo desenvolvidas nas UPAs desde junho e seguem até o início de setembro.

Na semana passada, os enfermeiros educadores Gabriela Maria Lara e Brenner Saboia, da Diretoria de Inovação, Ensino e Pesquisa (Diep), conduziram o treinamento de ressuscitação cardiorrespiratória em adultos na UPA Vicente Pires, abrangendo todos os colaboradores da unidade. Inusitadamente, um fato significativo ocorreu logo após a conclusão do treinamento: um paciente chegou à unidade com quadro de parada cardiorrespiratória (PCR), e a equipe pôde aplicar de forma rápida e eficaz as técnicas de RCP ensinadas, salvando a vida do usuário.

Trabalho integrado

Quem identificou os sinais de que o paciente apresentava uma parada cardiorrespiratória foi a colaboradora Amanda Araújo, que antes do treinamento não possuía informações sobre os procedimentos de RCP. Ela lembra que, para não perder tempo, o paciente precisou ser atendido no próprio estacionamento.

“Toda a equipe foi se movimentando; os médicos delegaram as funções e cada um assumiu um papel, como foi passado no treinamento”, relata. “Eu ajudei a buscar os aparelhos na sala vermelha e, como já havia muita gente da assistência realizando os procedimentos, fui dar apoio à família.”

Ao perceber que o pulso do paciente retornou, o médico o removeu para a Sala Vermelha, para a continuidade do tratamento. A equipe continuou focada, já que ele ainda não estava fora de perigo e sofria paradas cardiorrespiratórias.

“O nosso sentimento foi de bastante aflição até ele ser reanimado de forma definitiva e estabilizado”, conta Amanda. “A equipe se emocionou muito com o sucesso, e foi muito gratificante fazer parte do salvamento dele.” Após estar estabilizado e fora de perigo, o paciente foi transferido para um hospital particular, por iniciativa da família.

Treinamento e da reciclagem

Os treinamentos estão sendo realizados pelas equipes especializadas do Núcleo de Educação Permanente. Para a área da pediatria estão sendo tratados temas como Infecções Respiratórias com foco na bronquiolite, Ressuscitação cardiorrespiratória (RCP), Ventilação mecânica, Cálculo de medicações, Sepse e Choque séptico. Já o plano de trabalho para pacientes adultos envolve RCP, sepse, drogas vasoativas e ventilação mecânica.

A UPA do Recanto das Emas recebeu, no início da semana, o treinamento de RCP para pacientes pediátricos. Os colaboradores puderam treinar com bonecos que simulam bebês. Foram tiradas dúvidas sobre o manuseio correto, diferenças de abordagem entre crianças e bebês, entre outras.

“Os treinamentos são compostos de teoria e prática, sendo desenhados para promover a troca de informações e ampliar os conhecimentos da equipe”, explica o enfermeiro Brenner Saboia, responsável por aplicar alguns dos treinamentos.

“É uma situação real pela qual os profissionais da saúde passam, e a gente precisa desse conhecimento para poder dar o suporte necessário”, avalia a terapeuta neonatal pediátrica Maria Tarcilene Lima. 

Atualizações

A gerente de Gestão do Conhecimento do IgesDF, Mariana Marques, reforça que a equipe busca constantemente estar presente nas UPAs. “Objetivamos, com o cronograma atual, garantir que os atendimentos tenham um início de excelência na instituição”, resume. 

Assistente do projeto Humanizar na UPA do Gama, Geísa Albuquerque, que participou do treinamento de RCP, reforça: “Mesmo que a gente não esteja ali diretamente na assistência, a gente aprende um pouquinho e pode ajudar de alguma forma”.

Para o coordenador de enfermagem da UPA Gama, Otávio Maia, a iniciativa dos treinamentos foi muito bem-vinda. “A equipe precisa estar capacitada e atualizada para exercer uma assistência melhor ao usuário”, pontua.

“Estes temas são fundamentais para o bom atendimento em casos de urgência e emergência, e a reciclagem é importante para a melhoria contínua dos processos, agregando uma assistência de qualidade e com segurança para os usuários”, conclui o superintendente das UPAs, Francivaldo Soares.

*Com informações da Agência Brasília

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado