Brasília

46 das 110 pessoas que esperavam por leitos de UTI no DF eram pacientes de covid

O governador Ibaneis Rocha anunciou que até o final de março, devem ser vacinadas pessoas com 65 anos e o público em geral, a partir de abril

Por Catarina Lima 04/03/2021 6h33
Foto: Breno Esaki/Saúde-DF

Para enfrentar a segunda onda de coronavírus, o Governo do Distrito Federal disponibilizou nos últimos dias 81 novos leitos, dos quais 48 são contratados da rede privada. Mas a covid-19 e suas complicações têm sido mais rápidas. Existiam ontem 89 pessoas na fila de espera por um leito de UTI nos hospitais públicos do DF, sendo 28 desses pacientes de covid. Outros 21 doentes já internados em terapia intensiva, aguardavam transferência para leitos específicos para as enfermidades que apresentavam. Quase todos, ou 18 deles, tinham sido contaminados pelo coronavírus. O governador Ibaneis Rocha anunciou que até o final de março, devem ser vacinadas pessoas com 65 anos e o público em geral, a partir de abril.

Quanto à taxa de ocupação de leitos, que durante toda a manhã esteve em acima de 90% para pacientes de covid, às 17 horas de ontem era de 86,14%, sendo que os hospitais de Taguatinga, Samambaia e Santa Maria estão com 100% de ocupação. Nos hospitais do Gama e da Ceilândia a ocupação era de 80,77% e 86,96%, respectivamente.

Para que seja possível autorizar a reabertura do comércio, o governador espera que haja uma queda na ocupação dos leitos e na taxa de transmissibilidade da covid, que está em 1,32 no DF. Somente na quarta-feira a Diretoria de Vigilância Epidemiológica do DF notificou 1.520 novos casos de infecção por coronavírus. O pior momento da taxa de transmissão foi em março de 2020, quando o número chegou a 3,1, ou seja, uma pessoa contaminava outras três.

No dia 1º de março, data do início das medidas restritivas, 70% das regiões administrativas do DF já apresentavam taxa de transmissão acima de 1. De acordo com o diretor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cássio Peterka, esse comportamento do vírus tem importância significativa na ocupação dos leitos de UTI. Ele esclareceu, ainda, que não é uma nova variante que aumenta os casos, mas sim, o crescimento dos casos que podem resultar no surgimento de uma nova variante.

Um hospital que nesta semana recebeu um reforço de 16 novos leitos de UTI foi a unidade de campanha da Polícia Militar. Com isso, o hospital que dispunha de 96 leitos de terapia intensiva para pacientes com covid-19 passou a oferecer 96 acomodações. A expectativa é que nos próximos dias sejam abertos 139 leitos de UTI.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Efeitos do lockdown

Em sua conta numa rede social, o governador disse ontem que o decreto que suspendeu atividades não prioritárias no DF diminuiu em 60% a circulação de pessoas na cidade. “Com esses resultados e com a abertura e novos leitos, vamos liberando os setores um a um”, previu o governador. Ibaneis disse, ainda, que a pior situação é a que foi vivenciada em Manaus e que é isso que ele quer evitar que ocorra em Brasília.

“As pessoas precisam entender que não podem abandonar as medidas de prevenção, pois elas são as mesmas desde o início da pandemia. É extremamente importante evitar aglomerações e manter os cuidados com a higiene, pois a imunidade pela vacina ainda deve demorar”, frisou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar