Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília Assombrada

Caso Galdino: o que aconteceu com os envolvidos?

 

No dia 20 de abril de 1997, o líder indígena Galdino Jesus dos Santos, da etnia Pataxó, foi queimado vivo em um ponto de ônibus na 704 Sul. Ele estava em Brasília para participar de manifestações pelo Dia do Índio.

 

Galdino havia chegado tarde de uma reunião e não conseguiu entrar na pensão onde estava hospedado. Resolveu, então, dormir em um ponto de ônibus bem ao lado. Foi quando um grupo de cinco rapazes, todos no mesmo carro, jogou álcool e ateou fogo no que eles achavam ser “apenas um mendigo”. Um homem que passava pelo local anotou a placa do automóvel e entregou à polícia.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O pataxó teve 95% do corpo queimado e morreu horas depois no hospital. Os jovens do carro foram logo identificados: Tomás Oliveira de Almeida, Eron Chaves Oliveira, Antônio Novély Vilanova, Max Rogério Alves e Gutenberg Nader Almeida Junior, o único menor de idade. Todos foram presos e condenados a 14 anos por homicídio triplamente qualificado. O menor cumpriu 4 meses de medida socioeducativa. O julgamento mobilizou o país e chamou a atenção pelos criminosos serem de famílias influentes e com alto poder aquisitivo em Brasília.

 

Pela gravidade do crime, os detentos não poderiam ter acesso a vários benefícios da lei, mas, já no ano seguinte, receberam autorização para exercer funções administrativas em órgãos públicos. Três dos rapazes chegaram a ser flagrados pela imprensa bebendo em um bar e voltando para o presídio em seus próprios carros, sem nenhum tipo de revista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Em 2004, eles ganharam liberdade condicional, o que gerou muita polêmica em todo o Brasil. E o que aconteceu com os criminosos nos anos seguintes?

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todos foram aprovados em concursos públicos. Tomás Oliveira é técnico legislativo no Senado Federal. Eron Chaves é agente do Detran-DF. Antônio Novély é servidor da Secretaria de Saúde do DF. Max Rogério entrou para o TJDF e, atualmente, trabalha em um escritório de advocacia particular. Gutenberg Náder foi aprovado para a Polícia Civil do DF em 2014, mas terminou rejeitado na análise de vida pregressa feita pela instituição. No ano passado, passou no concurso da Polícia Rodoviária Federal e hoje é agente da corporação.

 

O local do crime foi batizado de Praça do Compromisso e abriga duas esculturas relativas ao assassinato do índio Galdino.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar