Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Professor M.

Procura-se um Chefe Chief

A palavra Chefe se tornou sinônimo de obsolescência e o termo inglês Chief se converteu em modernidade. Seria isso mesmo?

Por Prof. Manfrim 25/01/2021 10h45
Imagem: Pixabay

 

Se você está no ambiente organizacional, educacional, empreendedor ou inovador a algum tempo, certamente percebeu que a palavra “Chefe” se transformou em sinônimo de negatividade, obsolescência e autoritarismo e, em contrapartida, o termo “Chief” ganhou contornos de modernidade e contemporaneidade.

Quantas vezes já ouvimos a popular frase “Quem tem chefe é índio!” Denota algum sentido depreciativo, tanto à figura quanto à etnia? Em algum momento já refletiu sobre a validade dessas palavras?

Vamos então refletir sobre dois pontos e relembrar aspectos importantes da frase tão popular que suscita desconfianças em seu caráter excessivamente afirmativo.

Primeiro, a palavra “Chefe” como referência ao universo indígena, significa posição de extrema responsabilidade, compromisso, comprometimento, incumbência e dever para com seu povo, tribo, grupo, comunidade ou etnia.

Portanto, é uma posição com grandes responsabilidades, tem-se o dever de cuidar de si próprio, de outrem e do conjunto. Trata-se de uma vida imersa em liderança, comando, orientação, condução, regência, gestão, administração e governação.

Ora, não é esse o papel de um gestor público ou privado nas organizações?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo, as competências necessárias para exercer o papel de “Chefe” no universo indígena exige certas competências, tais como distribuição de responsabilidades entre os membros sob sua liderança, controle social, tomada de decisões, cuidar e ajudar o grupo, gerir os recursos, organizar as ações do grupo, estruturar grupos de trabalho, solucionar conflitos, realizar aconselhamentos, punições e reconhecimentos.[1][2]

Pois bem, não são esses os conhecimentos, habilidades e atitudes que esperamos de um gestor público ou privado nas organizações?

Os Chefes do Universo Corporativo

No mundo corporativo, nos acostumamos com a adoção de termos da língua inglesa, e entre eles estão os conhecidos “C” dos “Chief” americanos. Tornaram-se presentes no vocabulário organizacional com status de inquestionáveis.

O termo “Chief” em inglês tem como sinônimos head (cabeça), boss, (patrão), leader (líder), commander (comandante) e master (mestre), entre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na língua portuguesa o termo “Chefe” possui como sinônimos comandante, líder, capitão, mestre, diretor, dirigente, encarregado, gerente, patrão, superintendente, entre outros.

Ora, ora… Não é estranho demonizarmos a palavra na língua portuguesa e endeusarmos na língua inglesas? Vejamos [3]:

CEO (Chief Executive Officer) – Diretor ou diretora geral ou presidente da empresa. É o cargo que está no topo da hierarquia empresarial.

CFO (Chief Financial Officer) – Cargo de Direção Financeira. Esses profissionais comandam a administração e planejamento financeiro da empresa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CIO (Chief Information Officer) – Diretor ou Diretora de Tecnologia da Informação. Cargo cada vez mais importante nas empresas devido a digitalização dos negócios.

CMO (Chief Marketing Officer) – Cargo de Direção de Marketing. Profissionais coordenam e administra todas as ações de Marketing da companhia, o que inclui cuidar da marca institucional, posicionar-se no mercado e trazer resultados com as tecnologias de marketing.

COO (Chief Operating Officer) – Cargo de Diretor de Operações. As Operações da empresa são as atividades principais que geram receita para o negócio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CTO (Chief Technical Officer) – Diretor Técnico ou Diretor de Tecnologia. É mais presente em empresas que atuam de forma digital.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CPO (Chief Product Officer) – Diretor de Produtos. Essa pessoa comanda as atividades relacionadas aos produtos da organização, como concepção, projeto, produção, mapeamento e correção de problemas, além de identificar oportunidades de melhorias e novos produtos.

CHRO (Chief Human Resources Officer) – Diretor de Recursos Humanos; Gestão de Pessoas.

CCO (Chief Communications Officer) – Diretor de Comunicação. É o líder de comunicação corporativa e responsável pelas relações da empresa com a imprensa, os clientes e a comunidade.

CLO (Chief Legal Officer) – Diretor ou Diretora Jurídico. É responsável por proteger legalmente a empresa e deve garantir que as estratégias da companhia atendam as questões jurídicas.

CKO (Chief Knowledge Officer) – Diretor de Conhecimento. Deve gerir o capital intelectual da organização e o conhecimento dos profissionais em relação ao negócio.

Certamente a lista de “Chiefs” não se esgota aqui, bem como, outras novas surgirão no tempo com a evolução dos negócios, dos serviços e produtos, do mercado, dos profissionais, das empresas e organizações mundo afora.

Sendo assim, deixo aqui minha contribuição e uma sugestão: CBF (Chief Business Partner) – Diretor de Parcerias de Negócios. Haja criatividade…

O Chefe Chief

Em qual momento da história organizacional o termo Chefe se tornou pejorativo e desfavorável a quem o recebe ou é apontado como tal?

Será que os modismos e as necessidades constante de se criar algo novo no ambiente organizacional precisa depreciar coisas, pensamentos e conceitos mais antigos?

Pois bem, muito desse pensamento depreciativo de “Chefe” e superlativo de “Chief” povoa meus pensamentos com frequência e fico tentado e reproduzi-lo no dia a dia. Faz-se necessário a necessidade de refletirmos, ponderarmos e raciocinarmos sobre situações semelhantes a essa.

De certo, o ponto comum, convergente, harmonizante, conciliante e finalístico de “Chefe” ou “Chief” é a busca constante em desenvolver conhecimentos, habilidade e atitudes que potencialize as competências pessoais necessárias para o desempenho profissional nas organizações.

Vale apena rever os artigos ‘Inovação em Pessoas e evolução do Mindset’ e ‘Altruísmo, uma competência para Inovadores e Empreendedores’, relacionados ao tema gestão de pessoas e profissionais organizacionais.

Portanto, independente da denominação, a “pessoa” é o centro da atenção, investimento, transformação e potencialização, o maior valor que uma organização pode desenvolver, ter ou adquirir em sua existência.

Assim sendo, em um ato conciliatório, sugiro adotarmos e tratarmos profissionalmente todos como “CC”, “Chefe Chief”!

———————————————————————————————————————–

[1] TAPIRAPÉ, Edimilson Kaxanapio. A função do Cacique Apyãwa com sua comunidade.
TCC – Curso de Graduação Licenciatura em Pedagogia Intercultural.
Faculdade Intercultural Indígena. Universidade do Estado de Mato Grosso.
Barra do Bugres, 2016.

[2] FAUSTINO, Rosângela Célia. Política educacional nos anos de 1990:
o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena.
Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina.
Florianópolis, 2006.

[3] CEO, CFO, CIO, CMO… Você sabe o significado? CATHO, 2019. Disponível em:
<https://www.catho.com.br/carreira-sucesso/carreira/lideranca
ceo-cfo-cio-cmo-voce-sabe-o-significado/>. Acesso em: 24 de jan de 2021.

 

73▲————————————————————————————————————–

Prof. Manfrim, L. R.

Fanático em Gestão Estratégica (Mestrado). Obcecado em Gestão de Negócios (Especialização). Compulsivo em Administração (Bacharel). Consultor pertinente, Professor apaixonado, Inovador resiliente e Intraempreendedor maker.

Explorador de skills em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Visão Sistêmica, Holística e Conectiva, Marketing, Inteligência Competitiva, Design de Negócios, Criatividade, Inovação, Empreendedorismo e Futurismo.

Coautor do Livro “Educação Empreendedora no Distrito Federal”. Colaborador no Livro “O futuro é das CHICS: como construir agora as Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis”.

Navegador atual nos mares do Banco do Brasil, Jornal de Brasília e Instituto Brasileiro de Cidades Inteligentes, Humanas e Sustentáveis. Já cruzei os oceanos da Universidade Cruzeiro do Sul, Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), Cia Paulista de Força e Luz (CPFL), IMESB-SP, Nossa Caixa Nosso Banco, Microlins SP, Sebrae DF e Governo do Distrito Federal.

Contato para palestras, conferências, eventos, mentorias, hackathons e pitchs: [email protected]

Linkedin – Prof. Manfrim

_____________________________________________________________________________








Você pode gostar