Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

Tour de France: a briga pela Maillot Vert

O melhor velocista da competição será aquele que acumular o maior número de pontos nas metas volantes e também nas chegadas. Esta classificação “por pontos” dá o direito a vestir a Maillot Vert

Por Fabrício Lino 03/07/2022 10h36
Peter Sagan. Foto: Wikimedia Commons

A terceira etapa do Tour de France 22 será a despedida da Dinamarca e acontecerá na distância de 182 quilômetros entre as cidades de Vejle e Sonderborg, com terreno e percurso totalmente favorável aos sprinters.

A famosa Maillot Vert. Foto: Anne-Christine Poujoulat/AFP

O sprinter é aquele ciclista com particularidades de produzir elevada velocidade com grande potência em curtas distâncias. O show dos sprinters ocorre nas metas distribuídas ao longo do percurso e principalmente nas chegadas. O melhor velocista da competição será aquele que acumular o maior número de pontos nas metas volantes e também nas chegadas.

Esta classificação “por pontos” dá o direito a vestir a “Maillot Vert” (camisa verde) que foi criada em 1953 em comemoração aos 50 anos do TDF com o apoio/patrocínio da SKODA que mantém as premiações diárias do maior desafio de ciclismo do mundo. A SKODA é a responsável pelas premiações que na verdade foi criada por uma rede de lojas de roupas – “La Belle Jardiniére” – a simbologia veio para conceder um bônus aos ciclistas que demonstram grande poder de explosão e velocidade.

Peter Sagan. Foto: Wikimedia Commons

Importante aqui falar sobre dois grandes nomes desta disputa em alta velocidade: Mark Cavendish e Peter Sagan. O eslovaco Peter Sagan é o queridinho das mulheres no mundo do ciclismo já tendo conquistado a camisa verde por sete vezes no TDF, sagrando-se como um grande chegador. Vale lembrar também que o mesmo Sagan já foi Tricampeão Mundial de Ciclismo (2015/2016/2017), um feito que será bem difícil de ser alcançado — até hoje são apenas cinco ciclistas com esta marca e os mais conhecidos são o espanhol Oscar Freire e o belga Eddy Merckx que, para muitos, é o maior ciclista da história do esporte.

Mark Cavendish. Foto: AFP

Já o britânico Mark Cavendish detém uma marca de 34 vitórias nesta competição. Ele igualou o feito de Eddy Merckx em 2021 e pretende anotar seu nome na história como maior vencedor de etapas no Tour. Estamos em pleno ano de 2022, e Cavendish carrega as cores de campeão mundial desde 2011, quando sagrou-se campeão.

A famosa camisa arco-íris. Foto: Divulgação

Sagan e Cavendish são nomes importantes neste contexto pois, uma vez consagrados campeões mundiais, eles podem carregar as cores do feito até o fim da carreira. Um detalhe importante a ser registrado é que caso um campeão mundial venha a vestir a Maillot Jaune, que é a camisa de líder geral da prova, esta, por sua vez terá prioridade sobre as cores do mundial, ou seja, não veremos Sagan, Cavendish ou outro campeão mundial usando a camisa amarela com detalhes “coloridos”.

Vamos acompanhar grandes nomes como: Van der Poel, Van Aert, Jakobsen, Caleb Ewan entre outros na etapa número três e ver qual ciclista vai somar pontos no quilômetro 90 e na chegada plana de amanhã. A segunda-feira será um dia de descanso e de transferência da Dinamarca para Dunkerque, já em território francês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar