Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

COI proíbe postagem de gestos antirracistas nas redes sociais da Olimpíada de Tóquio, diz jornal

Durante futebol feminino, atletas se ajoelharam em campo em um gesto que se popularizou após a morte de George Floyd

Foto: Kazuhiro Nogi/ AFP

FolhaPress

O COI (Comitê Olímpico Internacional) proibiu as equipes das redes sociais oficiais da Olimpíada de Tóquio de publicarem fotos e vídeos de protestos antirracistas feitos por atletas durante a competição. A informação é do jornal inglês “The Guardian”.

Nesta quarta-feira (21), durante a primeira rodada do futebol feminino, atletas de cinco seleções se ajoelharam em campo em um gesto que se popularizou após a morte de George Floyd, no estado americano de Minnesota, no ano passado. As manifestações foram feitas por jogadoras do Chile, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Suécia e Nova Zelândia.

Os gestos foram transmitidos normalmente pelas redes televisivas, mas não aparecem nas redes sociais do COI ou da Olimpíada. Os profissionais teriam recebido a instrução na noite de terça-feira, no horário de Tóquio, antes da partida entre Chile e Grã-Bretanha, que marcou a inauguração do futebol nos Jogos.

Segundo o “The Guardian”, a orientação gerou surpresa nas equipes das redes sociais, uma vez que o COI costuma celebrar imagens icônicas de protestos, entre elas as dos ex-velocistas americanos Tommie Smith e John Carlos erguendo os punhos em manifestação contra a desigualdade racional nos Estados Unidos durante a Olimpíada de 1968.

A medida também vai na contramão de decisão recente da entidade, que afrouxou regra que proibia as manifestações políticas nos Jogos. A redação original da Regra 50.2 da Carta Olímpica afirmava que, para preservar a neutralidade dos Jogos, nenhum tipo de manifestação política, religiosa ou racial era permitida nas arenas e em outras áreas.

Diante do crescente ativismo de atletas, porém, foi divulgado no início do mês a nova versão das diretrizes do COI para a aplicação da Regra 50.2, que inclui os locais de jogo como palcos permitidos para manifestação, desde que antes do início das competições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a entidade, a manifestação precisa ser “consistente com os princípios fundamentais do Olimpismo” e não pode ser dirigida direta ou indiretamente a pessoas, países e organizações. Ajoelhar-se ou erguer o punho no pódio permanece vetado.

O gesto antirracista de se ajoelhar com o punho erguido antes de partidas de futebol se manteve presente na última temporada da Inglaterra e se repetiu entre algumas seleções na Eurocopa, ainda que sob reprovação do público em determinados países.

Durante a competição europeia, parte da torcida inglesa chegou a vaiar os jogadores da própria equipe durante a execução do gesto. Após a derrota para a Itália, na final, os atletas ingleses Rashford, Saka e Sancho foram alvos de ataques racistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar