Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Capital Esportes

Capital Esportes entrevista: Estevão Lopes

O atleta de Brasília Estevão Lopes bateu um papo com o colunista Leonardo Buarque, da Capital Esportes, para contar sobre sua carreira

Capital Esportes entrevista: Estevão Lopes Estevão Lopes

Estevão Lopes é um apaixonado e entusiasta do esporte e através do seu trabalho na Capital do Remo, incentiva jovens e adultos na prática do esporte e como essas atividades podem ser inclusivas e de integração social.

Confira a entrevista

Capital Esportes: Como a sua paixão pelo esporte, mais especificamente o remo chegou à sua vida?

Estevão Lopes: Meu nome é Estevão Lopes, eu sou advogado educador físico e atleta paraolímpico.
Sou sócio fundador do projeto Capital do Remo onde nós somos referência nos esportes como: remo olímpico, canoagem, canoa, stand up , vela e nós somos referência também nos esportes náuticos adaptados, que é o remo paralímpico, a paracanoagem e a vela adaptada. Onde nós atendemos mais de 70 pessoas com todo tipo de deficiência, nós não segregamos deficiência, atendemos doença degenerativa, ataxia, síndrome de down, deficiência visual, deficiência auditiva, deficiência motora. Atendemos todas as pessoas.

Léo, a paixão pelo esporte surgiu depois que eu sofri meu acidente e tive que passar por um processo de reabilitação no Hospital Sarah Kubtischeck e dentro do Sarah existe uma parte da reabilitação que se chama “Vivência Esportiva” e aí eu tive contato com os esportes náuticos que foi a vela adaptada e a paracanoagem. E a partir do momento que eu entrei num barco adaptado de vela de canoagem, isso aqui vai ser para minha vida toda! Eu quero isso pra sempre!

Foi quando comecei a praticar o esporte sem nenhuma pretensão mas fui picado pelo mosquitinho do esporte de alto rendimento, comecei a competir nas competições distritais, comecei a me destacar e a ganhar. Vieram as competições nacionais e desbravei o mundo, já são mais de 30 países competindo em alto rendimento: Japão, Austrália, Canadá, Alemanha, Holanda, Suiça, são muitos países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O pessoal costuma dizer que sou fominha, risos…porque não pratico só um esporte, eu pratico alguns. Hoje a vela adaptada, o remo paralímpico e a paracanoagem.

Além desses, eu pedalo também uma bicicleta sem mexer as pernas que é o FES Cycling, então hoje o esporte está dentro da minha vida como nunca. Não me vejo sem o esporte nunca mais. Quero estar bem velhinho praticando esporte e ajudando outras pessoas.

Capital Esportes: Praticamente, não dá falar de você sem falar da Capital do Remo. Como esse trabalho começou?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estevão Lopes: Falar de Capital do Remo é assim…chega os olhos brilham, por que o Capital do Remo é um sonho realizado. É um projeto de visa, onde tenho meu parceiro Eduardo Freitas, o Dudu que nós idealizamos esse sonho e conseguimos concretizá-lo. Hoje as instalações são a nossa cara, os profissionais também tem a nossa identidade e lá eu consigo praticar os meus esportes em alto rendimento e consigo levar essa qualidade de vida que o esporte trouxe pra mim pra outras pessoas.

Na Capital do Remo nós somos uma escola de: Remo olímpico, remo paraolímpico, canoagem, paracanoagem, canoa, stand up, vela adaptada, funcional e pilates.

Tudo no mesmo lugar. Nós conseguimos dar aula para os atletas convencionais e temos uma pegada totalmente inclusiva, e social onde atendemos várias pessoas com deficiência, aliás com todo tipo de deficiência, temos a vela adaptada, o remo paraolímpico e a paracanoagem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atendemos hoje mais de 70 pessoas com esse tipo de deficiência. Hoje isso é o que me motiva, cada vez mais lutar pelo esporte, estar competindo em alto rendimento pra servir de exemplo para essas pessoas e poder resgatá-los. Meu maior sonho realizado e poder transformar a vida das pessoas através dos meus exemplos através da Capital do Remo.

Capital Esportes: Chamou muito à atenção sua participação no PROJETO EMA, sua dedicação e comprometimento. Tive a oportunidade de ler sobre o projeto e achei incrível! Deve ser um sentimento único pra você fazer parte de algo tão inovador. Além disso, você foi o primeiro brasileiro e brasiliense ainda a participar do MUNDIAL CYBATHLON . Conta pra gente um pouco do evento, dos bastidores…

Estevão Lopes: O projeto EMA também faz parte da minha vida, EMA quer dizer, “Empoderando Mobilidade e Autonomia” é um projeto 100% Brasília, desenvolvido pela UNB onde temos os engenheiros elétricos, engenheiros mecatrônicos, engenheiros mecânicos, profissionais da fisioterapia e eu que sou educador físico.

Através da tecnologia desenvolvida pelo projeto EMA, eu consigo pedalar uma bicicleta por meio de estímulos elétricos sem mexer as pernas. Já tive mais de 30 centímetros de ganho de hipertrofia, ganho de massa muscular, melhora na circulação, na cicatrização, na qualidade óssea.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2016 e 2020 participei como único atleta da América Latina das Olimpíadas Biônicas, a CYBATHLON, e sou finalista. Já participei de duas edições, estando sempre na ponta competindo com Estados Unidos, Japão, Rússia, as maiores potências do mundo em tecnologia, mostrando que se quer fazer direito, é possível e as coisas acontecem.

O projeto EMA mostra que o Brasil pode sim competir com grandes potências da área.

Eu entrei no projeto EMA de cabeça porque o intuito do projeto não é deixar essa tecnologia para atletas de alto rendimento que é o meu caso. É levar essa tecnologia para todas as pessoas que sofreram acidente, que sofreram uma lesão medular e que de alguma forma nós podemos contribuir para a melhora dessas pessoas. Esse é o intuito do projeto EMA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Capital Esportes: Pra fechar, o que você acha que falta para o crescimento e divulgação do esporte paraolímpico em Brasília e em especial no Remo?

Estevão Lopes: Léo, você disse tudo! Nós precisamos dar visibilidade pros atletas que nós temos hoje. Brasília é um celeiro na formação não só de atletas olímpicos mas também de atletas paraolímpicos. Nós sabemos que falta um pouco de incentivo do governo e da iniciativa privada. Então vamos abrir os olhos para esses profissionais porque é isso que precisamos: visibilidade, dar notoriedade para esses atletas que vem representando não só Brasília, mas o Brasil no mundo afora com vários títulos e conquistas nacionais e internacionais.

É isso pessoal! Um salve aí pra vocês e um super salve aí pra galera da Capital Esportes e do Jornal de Brasília. Valeu!

Conheça um pouco mais da história de Estevão Lopes

Saiba mais:
http://projectema.com/
https://cybathlon.ethz.ch/en/media/news






Você pode gostar