Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Torcida

Apresentado no Corinthians, Giuliano veste a 11, elogia gestão e pede paciência à torcida

Novo camisa 11 do clube do Parque São Jorge, explicou o porquê de ter escolhido atuar na capital paulista e elogiou o trabalho da gestão

Foto: Reprodução

Yago Rudá
UOL/FolhaPress

Primeiro reforço do Corinthians para a temporada 2021, o meia Giuliano foi apresentado em grande estilo no CT Joaquim Grava. Novo camisa 11 do clube do Parque São Jorge, explicou o porquê de ter escolhido atuar na capital paulista, elogiou o trabalho da gestão comandada por Duilio Monteiro Alves e pediu paciência aos torcedores com o ano de transição da equipe.

“Acho que o Corinthians está muito melhor organizado do que vocês da imprensa imaginam. E por parte da imprensa, vocês poderiam dar esse crédito (referindo-se aos nomes da gestão). Acredito no trabalho, na evolução. Precisamos de um pouco de tempo. O momento em que nos encaixarmos tenho certeza que boas coisas virão”, analisou o reforço corintiano, não fugindo das perguntas mais delicadas.

Apresentado pelo presidente Duilio pelo diretor de futebol Roberto de Andrade, Giuliano tinha a camisa 10 disponível, mas optou em jogar com a 11. De acordo com o meia, ainda não houve uma conversa com o técnico Sylvinho para definir qual será seu posicionamento em campo, mas a expectativa é jogar já no próximo domingo (8), contra o Santos, na Vila Belmiro.

“A minha vontade é estar no jogo de domingo. Se é para iniciar, se é para jogar 10 minutos ou 45, eu quero ser útil. Dentro daquilo que eu puder fazer, quero ser útil”, explicou o reforço, que vem treinando com bola no CT Joaquim Grava desde a semana passada e está regularizado no BID (Boletim Informativo Diário) da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Embora ainda se prepare para estrear, o jogador esteve na Neo Química Arena no último domingo e viu o Corinthians perder, por 3 a 1, diante do Flamengo. O jogo foi marcado pela domínio do Rubro-negro e pelo temos dos corintianos em sofrer outra goleada para o adversário em Itaquera.

Apesar de a apresentação ter sido lamentada nos corredores do CT Joaquim Grava, Giuliano fez questão de minimizar o resultado e lembrar que o Corinthians passa por um ano de transição, dando espaço para os garotos das categorias de base e, apenas agora, no segundo semestre, fortalecendo o seu elenco com contratações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nós temos muitos jogadores jovens de muita qualidade, temos também jogadores experientes. Agora, a gente precisa de um pouquinho de tempo e paciência para que a gente consiga encaixar. No momento que estivermos melhor fisicamente, tenho certeza que a nossa equipe vai alavancar no campeonato”, concluiu o novo camisa 11 do Corinthians.

Veja outros trechos da apresentação de Giuliano:

Sobre perfil do clube
“Eu era corintiano quando pequeno. Estou muito feliz de estar aqui. Estou realizando um sonho de menino, de poder vestir essa camisa. É uma torcida que apoia. São nos momentos difíceis em que temos que nos unir, nos fortalecer e sermos um só. Da minha parte, dedicação e trabalho não faltarão.”

Por que escolheu o Corinthians ao invés de outros clubes?
“Sigo o meu coração. Tive outras propostas, como vocês muito bem sabem, e achei que era o momento de realizar o meu sonho.”

Sobre pressão pelo momento do Corinthians
“É difícil, eu vou ser muito cobrado. Passei por alguns mercados alternativos onde a cobrança não era tão grande. Estou em um clube que vai me cobrar muito, acredito que com um bom trabalho e um bom desempenho as coisas vão fluir normalmente.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre meta de jogos para a temporada
“Não consigo te dizer, é muito subjetivo. Eu me sinto bem, ams quando eu for pra uma situação específica do futebol vou sentir realmente. É uma questão de jogar o primeiro e ganhar ritmo. O fato de não jogarmos no meio da semana me dá tempo de treinamento. Não consigo definir quantos jogos exatamente, mas preciso de um tempo pra entrar no ritmo.”

Sobre momento financeiro do Corinthians
“Eles deram um passo importante, é um sinal de que confiam em mim e que eu posso ajudar a equipe. Que a gente consiga montar um elenco competitivo e com jogadores que consigam ajudar o clube.”

Sobre posicionamento
“Já atuei em várias posições. Já joguei de 10, já joguei de falso 9, já joguei de volante. Do meio para frente eu consigo fazer bem porque tenho as características. Estarei apto independente da função que ele me coloque.”

Sobre interesse antigo do Corinthians
“Fui sondado pelo Corinthians várias vezes. Era um outro momento da minha carreira e optei em permanecer. Nesse momento, é o momento ideal. Sou um jogador realizado, um jogador feliz e por isso a decisão de vir.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre expectativa criada pela torcida
“Chegamos para ajudar a equipe. O futebol não é um jogo individual, é um jogo coletivo. Você com bons jogadores individualmente, eles podem decidir uma ou duas partidas, mas pra ser campeão você precisa de um grupo. O futebol é coletivo. Se a expectativa é grande é porque cada pessoa gera essa expectativa. Se eu estou gerando essa expectativa é sinal de que fiz algo bom na minha carreira.”

Qual jogador do Corinthians você tinha como referência enquanto torcedor?
“Gostava muito do Ricardinho. Do lado esquerdo tinha Kléber, Gil e Ricardinho. Era maravilhoso ver eles jogando, mas eu gostava muito do Ricardinho.”

Jogo inesquecível
“Não vou conseguir lembrar exatamente o placar, mas o jogo contra o Cruzeiro tinha Dinei e Mirandinha. Foi um jogo que me marcou bastante.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda sobre torcida pelo Corinthians
“Depois de profissional, você acaba segurando um pouco aquilo que você fala. Quando você diz que é torcedor de um time, isso depende de como você fala e de onde você leva uma conotação diferente. Depois de profissional, continuei torcendo, mas de forma reservada.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre escolha da numeração
“Eu não tenho problema com a numeração. Tinha a 10 disponível e eu escolhi a 11, foi uma escolha minha.”






Você pode gostar