fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Promoções

Por uma biografia afinada

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Kevin Kline como Cole Porter, Ashley Judd como sua mulher, Linda, roteiro de Jay Cocks (o mesmo de Gangues de Nova York), muito luxo, muitas canções. A United Artists está anunciando para 2004 novo filme contando a vida do famoso compositor. Título: De-lovely. Promessa: será a primeira biografia, com um mínimo de fidelidade, que o cinema dedica a um grande artista da música popular. É bom que a primazia se faça justamente com Cole Porter. De todos os compositores americanos, foi o menos biografável pelos padrões moralistas da Hollywood de 1946, quando a Warner produziu o primeiro filme: A Canção Inesquecível (Night and Day).

Porter era homossexual. E o fato de mesmo assim ter se casado com uma elegante divorciada americana, exilada em Paris, deu aos roteiristas de A Canção Inesquecível (Charles Hoffman, Leo Townsend, William Bowers e Jack Moffit) e ao diretor Michael Curtiz a oportunidade de mostrar um biografado diferente, possível, vivido por Cary Grant (o detalhe de também este ser um homossexual que se casou mais de uma vez é mera coincidência – ou não, já que a escolha se fez por sugestão do próprio Porter, que assim descartou a escolha inicial do estúdio: Fred Astaire). Roteiristas e diretor conseguiram fazer o que era lei em cinebiografias de compositores: todos deviam escrever canções inspirados em suas mulheres. No caso, na Linda vivida por Alexis Smith.

O roteiro de Cocks promete corrigir as inverdades, a começar pelo relacionamento nada romântico de Porter com Linda. Ele, por ser como era, e ela, por jamais ter se recuperado do casamento com um brutamontes que a maltratava (o qual entraria para a História como o causador do primeiro desastre de automóvel dos EUA).

Linda era bonita e elegante como Alexis Smith, mas, ao contrário desta, detestava sexo. O que não impediu que os dois se completassem. O gosto por festas, viagens, reuniões sofisticadas, artes em geral e música em particular os unia. É nesta inusitada relação que Cocks pretende basear seu roteiro. Os tempos mudaram muito desde 1946.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foi naquela década que Hollywood se pôs a biografar os cinco grandes compositores populares americanos: Robert Alda foi George Gershwin (1945); Robert Walker, Jerome Kern (1946); Tom Drake & Mickey Rooney interpretaram Richard Rodgers & Lorenz Hart (1948). Todos com maiores ou menores doses de invencionice.

Os últimos dias de Porter foram marcados pela depressão: teve a perna esquerda amputada em 1958, seis anos antes de morrer. Terminava assim o martírio que ele enfrentou depois de uma queda de cavalo ocorrida em 1937 e que o fez passar por 28 cirurgias.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Promoções

Por uma biografia afinada

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Kevin Kline como Cole Porter, Ashley Judd como sua mulher, Linda, roteiro de Jay Cocks (o mesmo de Gangues de Nova York), muito luxo, muitas canções. A United Artists está anunciando para 2004 novo filme contando a vida do famoso compositor. Título: De-lovely. Promessa: será a primeira biografia, com um mínimo de fidelidade, que o cinema dedica a um grande artista da música popular. É bom que a primazia se faça justamente com Cole Porter. De todos os compositores americanos, foi o menos biografável pelos padrões moralistas da Hollywood de 1946, quando a Warner produziu o primeiro filme: A Canção Inesquecível (Night and Day).

Porter era homossexual. E o fato de mesmo assim ter se casado com uma elegante divorciada americana, exilada em Paris, deu aos roteiristas de A Canção Inesquecível (Charles Hoffman, Leo Townsend, William Bowers e Jack Moffit) e ao diretor Michael Curtiz a oportunidade de mostrar um biografado diferente, possível, vivido por Cary Grant (o detalhe de também este ser um homossexual que se casou mais de uma vez é mera coincidência – ou não, já que a escolha se fez por sugestão do próprio Porter, que assim descartou a escolha inicial do estúdio: Fred Astaire). Roteiristas e diretor conseguiram fazer o que era lei em cinebiografias de compositores: todos deviam escrever canções inspirados em suas mulheres. No caso, na Linda vivida por Alexis Smith.

O roteiro de Cocks promete corrigir as inverdades, a começar pelo relacionamento nada romântico de Porter com Linda. Ele, por ser como era, e ela, por jamais ter se recuperado do casamento com um brutamontes que a maltratava (o qual entraria para a História como o causador do primeiro desastre de automóvel dos EUA).

Linda era bonita e elegante como Alexis Smith, mas, ao contrário desta, detestava sexo. O que não impediu que os dois se completassem. O gosto por festas, viagens, reuniões sofisticadas, artes em geral e música em particular os unia. É nesta inusitada relação que Cocks pretende basear seu roteiro. Os tempos mudaram muito desde 1946.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foi naquela década que Hollywood se pôs a biografar os cinco grandes compositores populares americanos: Robert Alda foi George Gershwin (1945); Robert Walker, Jerome Kern (1946); Tom Drake & Mickey Rooney interpretaram Richard Rodgers & Lorenz Hart (1948). Todos com maiores ou menores doses de invencionice.

Os últimos dias de Porter foram marcados pela depressão: teve a perna esquerda amputada em 1958, seis anos antes de morrer. Terminava assim o martírio que ele enfrentou depois de uma queda de cavalo ocorrida em 1937 e que o fez passar por 28 cirurgias.


Leia também
Publicidade