fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Trabalhadores da indústria também vão ao Supremo contra Verde e Amarelo

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6285 foi apresentada à Corte no dia 12 de dezembro e divulgada no site do Supremo nesta terça, 7

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) entrou com ação no Supremo Tribunal Federal questionando 12 artigos da Medida Provisória 905, que instituiu o Contrato Verde e Amarelo. Segundo a entidade, a MP estabelece uma ‘subclasse’ de trabalhadores e configura ‘retrocesso social’ ao reduzir os direitos garantidos na Constituição Federal.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6285 foi apresentada à Corte no dia 12 de dezembro e divulgada no site do Supremo nesta terça, 7.

O caso foi distribuído para relatoria da ministra Carmen Lúcia, que antes do recesso forense, pediu informações ao presidente da República e ao presidente do Congresso.

Em despacho do último dia 18, a relatora também determinou, na sequência, a abertura de vista dos autos à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República para manifestação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na petição inicial da ação 6285, a CNTI pede, em caráter liminar, a suspensão dos 12 dispositivos questionados, e, posteriormente a declaração de sua inconstitucionalidade.

Para a entidade, a MP do Contrato Verde Amarelo é uma das medidas ‘mais autoritárias do processo constitucional brasileiro’, registrando ainda que foram apresentadas 1930 emendas à norma. Segundo a CNTI, a questão demonstra ‘descompasso’ entre o texto do Poder Executivo e o entendimento do Poder Legislativo.

Segundo a CNTI, a modalidade de contrato verde e amarelo cria uma outra categoria de trabalhadores que ‘não terão todos os direitos constitucionais e legais assegurados, em pé de igualdade com os demais empregados’.

A ação cita que o salário dos mesmos estará limitado a um mínimo e meio nacional, que seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviço será menor, que há afastamento dos direitos previstos nos instrumentos coletivos, entre outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nesse contexto, considerando que a Medida Provisória n. 905/2019 reduz, claramente, direitos referentes a salários, à saúde e segurança do trabalho, FGTS, dentre outros, assegurados expressamente na Constituição Federal, não resta qualquer dúvida acerca do retrocesso social que a norma acarreta.”

O texto ainda aponta a redução do adicional de periculosidade de 30% para 5% e questiona a autorização do trabalho aos domingos e feriados sem restrições. Essa última questão também é destacada na ação apresentada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC) à Corte.

“Considerando que o repouso semanal preferencialmente aos domingos tem o objeto de assegurar ao trabalhador a realização de outros direitos constitucionalmente assegurados, como o direito ao lazer, ao convívio familiar e social, dentre outros, estando intimamente vinculado ao princípio da dignidade da pessoa humana e ao valor social do trabalho, verifica-se clara ofensa à Constituição Federal”, diz a peça.

A ação indica ainda que a MP tem medidas ‘potencialmente relevantes em termos fiscais’ uma vez que estabelece que as empresas que contratarem na modalidade ‘Verde e Amarelo’ fiquem isentas da contribuição previdenciária, salário-educação e contribuições sociais destinadas ao sistema S. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade