fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Polêmica sobre vacina causa mal-estar a Pazuello

Após Ministério da Saúde anunciar que compraria doses da Coronavac, Bolsonaro disse que vacina chinesa contra a covid-19 não será comprada

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Agência Brasil
PUBLICIDADE

Efetivado como ministro da Saúde há pouco mais de um mês, Eduardo Pazuello acabou tendo o nome envolvido em polêmica sobre a Coronavac, vacina chinesa em desenvolvimento contra a covid-19.

Isso porque, na terça-feira (20), o Ministério da Saúde anunciou que compraria 46 milhões de doses da vacina. No Brasil, ela é desenvolvida pelo Instituto Butantan, que tem parceria com a farmacêutica Sinovac Biotech, criadora da Coronavac.

Porém, na manhã desta quarta (21), o presidente Jair Bolsonaro acabou contrariando Pazuello ao dizer que a vacina chinesa “não será comprada”. Em mensagem enviada a ministros, Bolsonaro afirmou: “Alerto que não compraremos vacina da China, bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19”, disse o presidente. A informação foi divulgada em primeira mão pelo site Poder360.

Bolsonaro e Doria têm travado embates sobre a questão. Na semana passada, o governador de São Paulo disse que todos os moradores do estado serão obrigados a tomar a vacina para conter a disseminação do novo coronavírus. O presidente rebateu por mais de uma vez, afirmando que não vai tornar obrigatória a vacinação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Toda a situação acaba envolvendo o nome de Pazuello em alguns comentários. Basicamente, o ministro viu Bolsonaro passar por cima de sua decisão. A pressão aumenta ao lembrar que trata-se do terceiro chefe da Saúde do país durante a pandemia (Mandetta foi exonerado após embates com o presidente, e Teich pediu para sair pouco tempo depois de assumir a pasta).

Veja alguns comentários:

 




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade