Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Saúde

Falta de escovação e tabagismo podem aumentar as chances do câncer bucal

O câncer de boca é o quinto mais comum entre os homens no Brasil e afeta os lábios e a parte interior da boca

Pequenas feridas na boca, semelhantes com uma afta, que não cicatrizam são sinal de alerta! O câncer de boca é o quinto mais comum entre os homens no Brasil e afeta os lábios e a parte interior da boca sendo com maior incidência no lábio inferior. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se 11.180 casos de câncer de boca em homens e 4.010 em mulheres em 2021 no Brasil.

“Os sintomas mais recorrentes são lesões que demoram mais de 15 dias para cicatrizar, manchas brancas ou vermelhas na língua, gengiva, céu da boca e parte interna da bochecha, desconforto no uso de próteses que já eram usadas, sangramento repentino em lábios ou dentro da boca como afta, rouquidão persistente, caroços no pescoço, fala com debilidade e sensação de algo preso na garganta. Já em casos mais avançados, a pessoa pode ter dificuldade em mastigar e engolir alimentos e bebidas”, comenta Ludmila Thommen, oncologista da Oncoclínicas Brasília. Os sintomas muitas vezes passam despercebidos, mas visitas periódicas ao dentista favorecem a descoberta precoce do câncer de boca.

Um estudo da University of Texas Science Center, nos Estados Unidos também traz uma alerta importante. A falta de higiene bucal pode aumentar as chances do câncer de boca. A pesquisa associou gengivas e dentes maltratados com uma maior facilidade no aparecimento do vírus HPV, responsável pelo surgimento de alguns tipos de câncer bucal.

Ainda de acordo com a oncologista, os principais fatores de risco são o tabagismo, ingestão exagerada de álcool e infecção por HPV. Segundo o INCA, a doença é mais frequente em homens, a partir dos 40 anos.

A médica explica que o tratamento inicial é sempre cirúrgico, mas pode incluir ainda quimioterapia, radioterapia. Se descoberto em fase inicial, esse tipo de câncer supera a marca dos 80% de chance de cura. A Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 90% dos pacientes diagnosticados com esse câncer eram fumantes.

“Dependendo da fase em que o tumor é diagnosticado, a chance de cura é alta. Por isso, se o paciente apresentar algum tipo de lesão na boca, que esteja endurecendo ou não cicatrizando deve procurar um especialista”, esclarece a oncologista.

Prevenção e hábitos saudáveis

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Fazer visitas periódicas ao dentista
  • Cuidar da higiene bucal
  • Não fumar
  • Usar camisinha durante o sexo oral
  • Não se expor ao sol sem proteção
  • Ter uma dieta balanceada
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas






Você pode gostar